Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

As tábuas do palco do CCVF voltam a ranger ao ritmo do GUIdance (04 a 13 fevereiro)

De 04 a 13 de fevereiro, Guimarães é capital da dança.

Estreias nacionais e internacionais marcam a 6ª edição do festival.

 

As tábuas do palco do CCVF voltam a ranger ao ritmo do GUIdance

image003.jpg

 

O GUIdance, festival internacional de dança contemporânea, em Guimarães, volta a marcar o calendário cultural de inverno do país pelo 6º ano consecutivo. No cartaz constam nove espetáculos que representam o que de melhor se faz na área da criação da dança. Estreias absolutas e nacionais, artistas consagrados e emergentes, e espaço para remontagens icónicas fazem da edição deste ano um momento singular no panorama artístico nacional. À programação principal juntam-se, ainda, atividades paralelas que visam a aproximação do público com os artistas. De 04 a 13 de fevereiro, Guimarães respira dança. Os espetáculos desdobram-se entre o Centro Cultural Vila Flor e a Plataforma das Artes e da Criatividade e variam entre as 19h00 e as 22h00. Dancemos todos.

 

A abertura do GUIdance acontece já no dia 04 de fevereiro, às 22h00, no Grande Auditório do Centro Cultural Vila Flor (CCVF), com uma estreia absoluta pelas mãos de Victor Hugo Pontes. “Se alguma vez precisares da minha vida, vem e toma-a” parte de um texto de Tchékhov, “A Gaivota”, para o despojar de palavra e o transformar em dança. Na noite seguinte, à mesma hora, no Pequeno Auditório do CCVF sobe ao palco “Hu(R)mano”, de Marco da Silva Ferreira.  Esta é uma busca constante do significado da dança enquanto produto abstrato, mutável e efémero, que se gera intuitivamente nos universos contemporâneos.

 

No dia 06 de fevereiro, há dose dupla de espetáculos. Às 19h00, a Black Box da Plataforma das Artes e da Criatividade (PAC) recebe a estreia nacional de “Hyperfruit”, de Ludvig Daae, uma peça que se debruça sobre a forma como comunicamos nos dias de hoje. A internet como ferramenta essencial para nos conectarmos e que simula uma proximidade e intimidade que, na realidade, não existe. À noite, o Grande Auditório do CCVF acolhe a estreia absoluta de “Maremoto”, de Miguel Moreira, da companhia Útero. “Maremoto” é, em sentido figurado, o espaço para o ser humano se transcender com diversas sinergias e intensidades. É o lugar do pensamento do corpo e das múltiplas possibilidades de movimento e emoção.

 

O GUIdance prossegue no dia 10 para a segunda semana de festival. Nesta data, às 22h00, na Black Box da PAC, novamente Miguel Moreira da Útero apresenta uma remontagem do marcante espetáculo de 2002, “Parede”. A peça nasce da necessidade de orientação. Existe uma mulher, que provavelmente nunca saberemos quem é, a debater-se com o fim de uma história de amor, que também não conhecemos.

 

Na noite seguinte, 11 de fevereiro, o Grande Auditório do CCVF recebe uma nova remontagem, desta vez de Akram Khan: “Kaash”. Há 14 anos, Akram Khan uniu esforços com o célebre escultor Anish Kapoor e com o conceituado compositor Nitin Sawhney para concretizar este espetáculo. “Kaash” (palavra hindi que significa “e se”) constrói pontes entre os mundos da dança contemporânea e a forma de dança clássica indiana Kathak. A peça, que foi um enorme sucesso aquando a sua estreia, tem agora paragem obrigatória no GUIdance.

 

No dia 12, às 22h00, o Pequeno Auditório do CCVF acolhe a japonesa Kaori Ito que traz a Guimarães a estreia nacional de “Je dance parce que je me méfie des mots”. Aqui acontece um reencontro entre um pai e a sua filha, o recuperar de algo perdido. Kaori convoca o seu pai, escultor, para esta peça e concede-lhe a dança de uma vida.

 

No último dia de GUIdance, 13 de fevereiro, e para acabar em grande, o festival apresenta novamente dois espetáculos. À tarde, a Black Box da PAC recebe “Nevoeiro”, de Luís Guerra. Aqui os bailarinos ficam desfocados assim como a nossa visão quando se esforça para ver além da neblina. Este efeito foi conseguido por movimentos rápidos praticados com perícia pelo grupo de bailarinos que se imiscui na bruma que aqui é palco. À noite, o GUIdance retorna ao Grande Auditório do CCVF para se despedir em definitivo da edição deste ano. “Golden Hours (As you like it)”, de Anne Teresa De Keersmaeker, da companhia Rosas, em estreia nacional, encerra com chave de ouro a 6ª edição do festival. “Golden Hours (As you like it)” esconde uma peça de teatro na dança, um encontro entre o álbum “Another Green World” (cuja música “Golden Hours” empresta nome ao título da peça), de Brian Eno, e a comédia clássica de Shakespeare, “As you like it”. Para esta performance, De Keersmaeker explora um elenco de onze jovens bailarinos, acendendo os seus expressivos movimentos idiossincráticos através de uma paleta de dança rica, colorida e energética.

 

À semelhança das edições anteriores, o GUIdance apresenta também um cartaz de atividades paralelas que aproximam o público dos artistas e permitem conhecer uma outra perspetiva do processo de criação artística. Este ano, há masterclasses com Victor Hugo Pontes e a Akram Khan Company, há conversas pós-espetáculo com Victor Hugo Pontes, Miguel Moreira e Kaori Ito e há um debate moderado por Cláudia Galhós. O GUIdance também chega às escolas da cidade com os embaixadores da dança que, nesta edição, são representados por Leonor Keil e Miguel Moreira. Cláudia Galhós também visita as escolas secundárias do concelho para falar da história da dança e passa ainda pelas escolas Asas de Palco e Academia de Música e Bailado de Guimarães. No Café Concerto do CCVF estará patente, ao longo do festival, uma exposição de desenhos de Luís Guerra que apresenta aqui uma outra faceta criativa. Também Luís Guerra abre o seu trabalho aos alunos da ESAG que são convidados a desenhar os movimentos do ensaio da peça “Nevoeiro”. O meeting point do festival acontece todas as sextas e sábados, a partir de meia-noite, no Café Concerto do CCVF para momentos de descontração e convívio.

 

Os bilhetes para o GUIdance encontram-se à venda nas bilheteiras do Centro Cultural Vila Flor e da Plataforma das Artes e da Criatividade, bem como nas lojas Fnac e El Corte Inglês, entre outros pontos de vendas, e na internet em www.ccvf.pt e oficina.bol.pt. O preço dos bilhetes varia entre os 5,00€ e os 10,00€ e há ainda a possibilidade de adquirir a assinatura do festival por 35,00€, que contempla todos os espetáculos e ainda uma visita às exposições patentes no Centro Internacional das Artes José de Guimarães. Os alunos que frequentam Escolas de Artes Performativas têm um preço especial de 4,00€ nos espetáculos de Grande Auditório. O programa completo do GUIdance pode ser consultado em www.ccvf.pt.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.