Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Bloop — 11º Aniversário, 17 de Março no Capitólio

 

 

7d53a293-bc7a-47db-a33f-6552f8d7366a.jpg

 

7d53a293-bc7a-47db-a33f-6552f8d7366a.jpg

 

BLOOP

 

11º Aniversário da Bloop Recordings acontece no dia 17 de março no cine-teatro Capitólio

Depois da grande festa no Alcântara-Café no fim de semana passado, já se prepara o evento do ano, dia 17 de Março, às 15h no Capitólio, em Lisboa.
 

Estamos no centro da cidade, a paredes meias com a Avenida da Liberdade. No relógio, batem as 15h00 do dia 17 de Março. Finalmente, chegou o dia. Enquanto atravessamos a estrada para o Parque Mayer, pensamos no espetáculo prestes a começar no qual somos todos protagonistas. Existe um ponto em comum entre o Parque Mayer e a festa de aniversário da Bloop. Ambos movem uma pequena multidão, de Norte a Sul do país, para uma noite de festa que marca um ano inteiro. É aquela data que temos marcado no calendário um ano inteiro, que nos faz crescer água na boca e esperar que chegue bem rápido o ano que vem.
 
Bem-vindos aos 11 anos da Bloop Recordings.
 
Pede-se o favor de desligar os telemóveis. Esquecer as fotografias e o instagram. Faça-se silêncio na sala, porque o espectáculo vai começar. As cortinas abrem e o Parque Mayer vive, num aplauso crescente ao início de uma revista a preto e branco ou de um filme tão (pro)fundo quanto a garganta da Linda Lovelace. Saltam as plumas coloridas dos antigos armários de que quem faz viver as nossas festas. Aqui, tal como no Teatro Capitólio, não se revelam segredos. Não existe margem para o pudor num espaço marcado pela descrição, onde dançar de olhos fechados está longe de ser a pior das confissões que estas paredes dos anos 30, com contornos de 70, irão guardar. Façam-se girar os discos onde antes rolaram rodas de patins ao som da música. É que o Capitólio já fez de teatro, de cinema erótico e de discoteca com pista para patins. Com um passado assim, é fácil deixar a imaginação partir ao sabor do desconhecido e viajar pelas possibilidades que se escondem por detrás daquelas portas. Ainda sem revelar o que está guardado, surge um eco em voz feminina:
 
“Do you wanna get off or do you wanna wreck a city?” - Helen, “Deep Throat”

Mais informações sobre bilhete, na página do evento, no Facebook.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.