Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Carpintarias | Teatro: Pigafetta - Diário de Viagem. 24h

 

250760ca-22e5-4d75-b84c-96fedfa5bb87.png

 

As Carpintarias de São Lázaro, prestes a iniciar a sua segunda fase de obras, terminam a Programação Cultural de 2017 com a apresentação da peça “Pigafetta - Diário de Viagem”. Um espetáculo cénico com 24 horas de duração onde o bilhete é substituído por uma doação.

“Quem sabe onde está o norte? Quem sabe onde está a estrela polar? Quantas histórias cabem dentro de uma viagem eterna? Quem fica, quem nos abandona, quem contará no fim a nossa história?”
Um espectáculo de 24 horas que nos levará numa viagem que é uma aventura teatral, inspirado no diário de viagem que redigiu Antonio Pigafetta, quando em 1529 acompanhou Fernão de Magalhães na sua travessia pelo mundo. Nesta viagem, Marcos Barbosa e David Colorado são os comandantes da expedição. Uma peça colaborativa que acontece em conjunto com o público, reproduzindo em cena o espírito da viagem e da descoberta coletiva.

As Carpintarias de São Lázaro apresentam esta peça no ano em que se realiza a Capital Ibero-Americana de Cultura em Lisboa, com colaboração criativa entre Portugal, o México e a Argentina. 
Partindo de uma ideia do dramaturgo argentino Lautaro Vilo, e com textos de David Colorado (México) e Marcos Barbosa (Portugal), “O Pigafetta” reflete sobre o fenómeno da viagem e do tempo, bem como sobre a construção dos mitos europeus e americanos.

Este trabalho será a primeira peça de Teatro apresentada no espaço das Carpintarias de São Lázaro e a lotação da sala é limitada a um pequeno número de espectadores, pelo que as inscrições para assistir a este espetáculo deverão ser enviadas para o e-mail: pigafettanascarpintarias (at) csl-lisboa (ponto) pt

Este espectáculo é realizado em parceria com O Gerador – www.gerador.eu.

O valor da entrada fica ao critério de cada espectador, em forma de doação para apoio à programação cultural das Carpintarias de São Lázaro, no valor que entender.