Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Cendrev | Janeiro

 

 

EM ACOLHIMENTO NO TEATRO GARCIA DE RESENDE

Rebentar Como A Terra, pelo TEatroensaio

REBENTAR.jpg

 



A começar o ano recebemos no Teatro Garcia de Resende esta peça apresentada pela companhia TEatroensaio do Porto.
Nesta peça trata-se a universalidade dos refugiados e do drama não somente europeu, mas também mundial, acima de tudo o espectáculo é focado no indivíduo em relação ao colectivo e à sua presença no mesmo, fuga dele e seu desenraízamento. A criação assenta sobre o tema da deslocação forçada sem a localizar no espaço e no tempo, porque não é somente agora que o mundo vive e vê as imagens que diariamente nos entram casa adentro através dos media (televisões, jornais, etc.). Desde o princípio dos tempos foram muitas as populações e civilizações que por ela passaram e muitos aqueles que pela sua acção tiveram de se recriar num outro lugar.
Vale a pena fazer esta viagem pela actualidade e ao interior de nós próprios. Vale a pena vir ao Teatro.


FICHA ARTÍSTICA E TÉCNICA
texto e encenação Pedro Estorninho | interpretação Ana Coelho, Inês Leite, Rosário Gonzaga | voz off Pedro Estorninho, Rosário Gonzaga | guarda-roupa e cenografia TEatroensaio | direcção de produção Inês Leite | apoio à produção Ana Coelho | registo fotografia Pedro Ferreira e CM Arraiolos | design gráfico Augusto Pires / Makeup Design | co-produção TEatroensaio / CM Arraiolos | um evento Alentejo em Cena | promotores CM Arraiolos, CIMAC, Turismo do Alentejo | cofinanciado por Alentejo 2020, Portugal 2020, União Europeia | apoios e parcerias Teatro Nacional São João, Direcção Regional de Cultura do Norte/Casa das Artes do Porto, CENDREV/CM Évora, Cace Cultural do Porto-IEFP/IP, Moagem CERES S. A., Esmae/IPP, Deriva Editores, Festival Cinanima, Erregueté, AJHLP, Makeup Design | agradecimentos População do Concelho de Arraiolos, Funcionários da Câmara Municipal de Arraiolos, António Candeias, Catarina Neves, João Sotero.
duração 60’ | público M12


BILHETEIRA
preço normal 6€ | Sócios do Sindicato dos Professores da Zona Sul (SPZS) 4€ | até aos 12 anos, Estudantes, + 65 anos, Reformados/Pensionistas, Funcionários da C.M.Évora, Grupos Escolares e outros de + de 12 pessoas  desconto 50% - 3€ | Cartão PassaporTeatro (estudante) 3€ | Cartão Passaporteatro Sénior: (Assinatura Anual)
informações e reservas 266 703 112 | email geral@cendrev.com


CENDREV EM DIGRESSÃO

 

bonecos.jpg

BONECOS DE SANTO ALEIXO

Estes títeres tradicionais parecem ter tido a sua origem na aldeia que lhes deu o nome.
São títeres de varão, manipulados por cima, à semelhança das grandes marionetas do sul de Itália e do norte da Europa, mas diminutos, de vinte a quarenta centímetros.
O estojo de bonecos e textos tradicionais, que eram somente transmitidos via oral, chegaram às nossas mãos através de Mestre António Talhinhas, camponês dotado de grande poder de improvisação e cantador.

Neste início de ano os “Bonecos de Santo Aleixo" apresentam-se:

 
Grupo Musical de Recreio e Desporto de Vale do Pereiro 
 Dia 12 de Janeiro, às 21h30 
 No âmbito do protocolo com o Município de Arraiolos
 

 
La Nave del Duende, Cáceres 
 Dia 13 de Janeiro, às 18h00 
 No âmbito do Circuito Ibérico de Artes Cénicas
 

FICHA TÉCNICA
actores-manipuladores Ana Meira, Gil Salgueiro Nave, Isabel Bilou, José Russo, Victor Zambujo | acompanhamento musical Gil Salgueiro Nave

 

EMBARCACAOJan.jpg

 

EMBARCAÇÃO DO INFERNO

Em 2018 continuamos a viagem com esta barca de Gil Vicente que já realizou 102 sessões a que assistiram 9.705 espectadores.
A Escola da Noite e o Cendrev, ambas com larga experiência no repertório vicentino, decidiram montar este grande clássico do teatro português, também conhecido como “Auto da Barca do Inferno”.
O espectáculo é um convite ao público ver esta peça e confrontar-se com tudo o que ela continua a ter para nos oferecer, cinco séculos depois. “Com os pés assentes no nosso tempo, bastará alongar o ouvido e apurar a visão para escutar a sensibilidade e a moral de um outro tempo que, afinal, não está ainda tão afastado de nós como pode parecer.”
Para além das sessões para o público em geral estão marcadas sessões especiais para o público escolar.


Teatro Carlos Alberto – Porto
 Dias 17, 18 e 19 de Janeiro, às 21h00 
 Dias 18 e 19 de Janeiro, às 15h00 (sessões para público escolar) 
 Dia 20 de Janeiro, às 19h00 
 Dia 21 de Janeiro, às 16h00 


Teatro José Lúcio da Silva – Leiria
 Dia 25 de Janeiro, às 10h30 e às 14h30 (sessões para público escolar) 
 Dia 26 de Janeiro, às 21h30 


FICHA TÉCNICA
texto Gil Vicente | encenação António Augusto Barros e José Russo | interpretação Ana
Meira, Igor Lebreaud, Jorge Baião, José Russo, Maria João Robalo, Miguel Magalhães, Rosário Gonzaga, Rui Nuno
| cenografia João Mendes Ribeiro, Luísa Bebiano | figurinos, bonecos e imagem gráfica Ana Rosa Assunção | música Luís Pedro Madeira | desenho de luz António Rebocho | consultadoria científica José Augusto Cardoso Bernardes | consultadoria de esgrima Henrique Guerra | assistência de encenação Sofia Lobo | direcção de montagem António Rebocho, Rui Valente | operação de luz e som António Rebocho, José Diogo | direcção de cena Miguel Magalhães | fotografia Paulo Nuno Silva | construção e montagem de cenário António Rebocho, Carlos Figueiredo, Paulo Carocho, Tomé Antas, Tomé Baixinho | execução de figurinos Maria do Céu Simões | produção executiva e secretariado Ana Duarte, Cláudia Silvano, Pedro Rodrigues | comunicação e colocação de espectáculos Alexandra Mariano, José Neto, Pedro Rodrigues.
duração 60’ | público M12

Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.