Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

CENTRO DE ARTE E CULTURA DA FUNDAÇÃO EUGÉNIO DE ALMEIDA VOLTA A RECEBER CINE-CONCERTOS AO AR LIVRE

Cinema Paraíso é o ciclo de cinema ao ar livre que acontece no Jardim do Tardoz do Centro de Arte e Cultura, em Évora, em julho e agosto

 

image002 (2).jpg

Nesta terceira edição, o Cinema Paraíso - ciclo de cinema ao ar livre volta a instalar-se no jardim tardoz do Centro de Arte e Cultura da Fundação Eugénio de Almeida, em Évora, a partir de 9 de julho, aos sábados, às 21h30, com entrada gratuita.

Este ano com uma programação centrada no cinema mudo dos anos vinte, os filmes serão apresentados em regime de cine-concerto: músicos interpretam ao vivo a banda sonora musical criada (ou improvisada) para cada filme, dando à exibição cinematográfica um certo tom de arqueologia (nos anos vinte o cinema não era de facto mudo: as projeções eram acompanhadas por música executada ao vivo), ao mesmo tempo que se inscrevem no presente da criação e dos criadores, e também no tempo de fruição e de afetos da cidade – aqui potenciado pelo serviço de esplanada à disposição dos espetadores.

O ciclo, com curadoria de José Alberto Ferreira, abre em julho, no dia 9, com a sessão Buster Keaton - três curtas cómicas, musicada por Gonçalo Parreirão e Ricardo Brito. As três curtas-metragens escolhidas - Cops (1922), Playhouse (1921), One Week (1920) - representam um dos períodos mais profícuos da carreira de Buster Keaton. Segue-se, no dia 16, A Dança dos Paroxismos (1929), de Jorge Brum do Canto, um ensaio visual inspirado numa lenda nórdica sobre o sortilégio de um cavaleiro que se apaixona, aqui acompanhado pelos sons do projeto RAIA, com TóZé Bexiga e Xinês.  A não perder será também o cine-concerto no dia 23, com Charlie Mancini a fazer música para O Homem Mosca (1923), um dos mais emblemáticos filmes da comédia do período mudo norte-americano. SAFETY LAST!, o título original,  é também uma das mais conhecidas “aventuras” de Harold Lloyd, mítico ator cómico lembrado pelos seus óculos de aros redondos e pelas proezas físicas que, no pico da sua popularidade, o equipararam a Buster Keaton e Charlie Chaplin. O cine-concerto do último sábado de julho, dia 30, traz As Aventuras do Príncipe Achmed, (1926), de Lotte Reiniger. Considerada a primeira longa-metragem de animação, esta espantosa adaptação de contos de As Mil e Uma Noites, realizada em sombras chinesas, usa recortes de silhuetas e matizes de cores deslumbrantes para trazer à vida a história de um príncipe árabe. A banda sonora está confiada a Arsénio Martins / Aroma Jazz Trio. No dia 6 de agosto, O Último dos Homens (1924), de F. W. Murnau – a história aparentemente banal de um porteiro do Grande Hotel Atlantic –, e a música de Bruno Monteiro, Kevin Pires e Ricardo Soares completam a programação deste ciclo.

Todas as sessões decorrem aos sábados, às 21h30, no Jardim Tardoz do Centro de Arte e Cultura. O portão, em frente ao quiosque do templo romano, abre às 21h00 e os 60 lugares da plateia serão ocupados por ordem de chegada, até ao limite de lugares disponíveis. Todas as informações e programação podem ser encontradas em https://www.fea.pt/centrodearteecultura/7408-cinema-paraiso.

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.