Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Ciclo de espetáculos "Women Power" apresentado a 26 e 27 de setembro em Guimarães

Três mulheres, três espetáculos.

É o poder no feminino em Guimarães

Nos dias 26 e 27 de setembro, Guimarães recebe o “Women Power”, um ciclo de três espetáculos dirigidos e interpretados por três mulheres. São três visões no feminino, três perspetivas sobre quem somos e o que nos rodeia. As portuguesas Cláudia Dias e Raquel Castro sobem ao palco com “Vontade de ter vontade” e “Os dias são connosco”, respetivamente. A última performance fica a cargo da americana Dani Brown com “How do you imagine the devil?”. Espetáculos a não perder, que exploram o complexo universo feminino.

 

Na sexta-feira, 26 de setembro, às 22h00, o Pequeno Auditório do Centro Cultural Vila Flor recebe o espetáculo de Cláudia Dias que dirige, coreografa e interpreta “Vontade de ter vontade”, uma peça que nasce do sentimento de confrontação geracional que Cláudia diz sentir em relação aos seus alunos. Um confronto que a obriga a uma reflexão sobre a sua geração e sobre a forma como a artista se relaciona com a antecedente e a precedente. Este movimento de ir para a frente, supostamente para o futuro e para trás, para o passado, implica a que se situe no presente. Num aqui e agora. E assim nasce a imagem galvanizadora desta nova criação, a de transformar o palco num território – Portugal.

 

“Vontade de ter vontade” é um percurso onde as dimensões individual, coletiva, pessoal e histórica coabitam o mesmo espaço. Este percurso traça um olhar sobre o momento atual que se vive na Europa (e no Mundo), pondo em evidência as relações entre o norte e o sul, entre o colonizador e o colonizado, entre o central e o periférico. É também um manifesto contra a inevitabilidade.

 

No sábado, 27 de setembro, também no Pequeno Auditório do CCVF, às 17h00, Raquel Castro apresenta “Os dias são connosco”, uma reflexão sobre o quotidiano, a relação mãe-filha, a realização profissional, o dinheiro, a família, o amor, o envelhecimento. Quando a sua filha nasceu, Raquel Castro iniciou um diário em vídeo de 365 dias para poder mostrar-lhe, mais tarde, o seu primeiro ano de vida. Inspirada por esse registo privado e documental, decidiu depois criar um espetáculo, uma carta-vídeo de uma mãe para uma filha que é também um retrato de uma pessoa e do mundo que a rodeia, feito ao vivo para ser visto no futuro.

 

“Foi importante perceber que a vida está cheia de presente, de um presente que não podemos abarcar na totalidade”, explica a artista. “Para esta versão escolhi representar-me servindo-me das ferramentas próprias do teatro, procurando tornar mais simbólicos alguns traços do meu retrato. Este é também um retrato datado, pretende ser um reflexo dos dias de hoje”, conclui Raquel.

 

Ainda no sábado, mas à noite, às 22h00, é a vez da Black Box da Plataforma das Artes e da Criatividade receber o espetáculo de Dani Brown, “How do you imagine the devil?”, uma divertida peça que brinca com as identidades, os limites e o proibido. Este espetáculo foi pensado para ser uma obra em constante evolução, numa peça em que os universos do real e da ficção se fundem e se vão tocando na tangibilidade um do outro. Este é o primeiro solo da artista que já carrega em si a promessa de um futuro de sucesso no munda da arte. Dani Brown convida o diabo a participar num jogo em que se brinca com a consistência do caos e de uma transformação em curso que testa os limites da relação que vai estabelecendo com o público ao longo da peça. O desejo como uma tentação que ultrapassa os limites do género.