Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Cinema e identidade macaense em discussão no Museu do Oriente | Macau 20 Anos | Programa gratuito

O 20º aniversário da transferência da administração de Macau para a China continua a ser assinalado no Museu do Oriente com uma discussão sobre o futuro da comunidade macaense, a 6 de Dezembro, e a exibição dos filmes “O Som do Bambu” e “Cidade Ecrã”, no domingo, dia 8. Ambas as iniciativas são gratuitas.

 

Passados 20 anos desde a constituição da Região Administrativa e Especial de Macau (RAEM), a República Popular da China vai impondo mudanças e dinâmicas que se cristalizaram. A comunidade macaense, por sua vez, continua activa, viva e presente, marcando a dimensão dos seus traços identitário pelas iniciativas e posicionamento que vai assumindo. No dia 6 de Dezembro, às 18.00, a mesa-redonda “Identidade Macaense: que futuro?” propõe-se debater e reflectir sobre os diferentes pontos de vista, com um painel de convidados que inclui representantes da Fundação Casa de Macau, da própria comunidade macaense e especialistas das áreas da História e da Antropologia.

 

No domingo, 8 de Dezembro, a partir das 17.00 são exibidos os filmes “O Som do Bambu”, de Javier Martinez, e “Cidade Ecrã” de Rui Filipe Torres.

fotogeral_sombambu_Rui_Dias_Monteiro-min.jpg

 

Legendado em português, “O Som do Bambu” (2018) faz um paralelo entre esta planta e o carácter chinês. O bambu é flexível, curva-se com o vento, mas nunca se quebra e as suas raízes são extremadamente fortes. A milenária cultura chinesa é, como as raízes do bambu, a base para que a diáspora chinesa mantenha a essência da sua identidade. Mesmo a milhares de quilómetros do seu lugar de origem, o povo chinês consegue resistir ao vento sem quebrar-se.

 

Rodado em Macau, entre Janeiro e Fevereiro de 2018, com o apoio da Fundação Oriente através da atribuição de uma bolsa de curta duração, o filme-ensaio “Cidade Ecrã”, de Rui Filipe Torres, questiona o papel da 7ª Arte na construção da cidade criativa e nas relações de Portugal com Macau.


O programa comemorativo Macau 20 Anos prolonga-se até ao final do ano, no Museu do Oriente, com iniciativas gratuitas. Mais informações aqui.

 

Macau 20 Anos

 

Mesa-redonda “Identidade Macaense: que futuro?”

6 de Dezembro, sexta-feira

18.00-19.30

Sala Beijing

Entrada gratuita, sujeita a inscrição

Coordenador: Carlos Piteira, Instituto do Oriente (ISCSP)

Moderadora: Maria Valente, responsável de comunicação da LivreMeio

Este evento tem o apoio da LivreMeio

 

Sessão de Cinema

“O Som do Bambu” e “Cidade Ecrã”

8 de Dezembro, domingo

17.00

Auditório

Duração: 47' + 40', sem intervalo

Lengendado em português e mandarim

Entrada gratuita, mediante levantamento prévio de bilhete no próprio dia


O SOM DO BAMBU [2018]
Realização Javier Martínez | Produção Casinfância | Montagem João Dias | Direcção de fotografia e operação de câmara principal Mário Castanheira | Captação de som Quintino Bastos


CIDADE ECRÃ / filme ensaio
Argumento, Realização, Fotografia, Montagem, Produção  Rui Filipe Torres |  
Com Carlos Morais José, João Sales Marques, Rui Leão, José Drumond, João Laurentino Neves, Rui Filipe Torres

 

www.museudooriente.pt