Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

CMB vai adquirir Moinho Grande de Alburrica e pretende recuperar património | Património Moageiro em debate

 

Encontro%20Sobre%20Patrimonio%20Moageiro-60.jpg

 

O Património Moageiro foi o mote para um encontro realizado ao final da tarde de segunda-feira, 10 de agosto, que reuniu responsáveis da CMB e vários cidadãos motivados pelo interesse nestes ícones do Concelho, num local, também ele, simbólico do Barreiro: Moinho do Jim.

 

A CMB está a iniciar o processo de classificação do Património Moageiro do Barreiro como Conjunto de Interesse Municipal – poucos dias após a aprovação, em sessão pública, da aquisição do Moinho Grande de Alburrica, a caldeira onde este se insere e outras parcelas de terreno na zona. Além desta aquisição agora aprovada, a CMB já é proprietária dos três moinhos de vento e um de maré. Nesta altura, está em curso, numa primeira fase, a classificação dos moinhos de Vento de Alburrica (Nascente, Poente e Gigante) e do Moinho de Maré Pequeno.

 

Na iniciativa estiveram o Presidente da Câmara Municipal do Barreiro, Carlos Humberto de Carvalho, a Vereadora responsável pelo Departamento de Desenvolvimento Sociocultural, Regina Janeiro, e António Camarão, técnico da Autarquia. Na assistência marcaram, ainda, presença a Vice-Presidente da CMB, Vereadora Sofia Martins, e os vereadores Rui Lopo, responsável pelo Planeamento, e Sónia Lobo, responsável pelo Departamento de Gestão e Administração Geral.

 

Com esta sessão, deu-se início ao período de discussão pública, que, conforme sublinhou Regina Janeiro, visa a sua preservação. Este, contudo, “não terminará em trinta dias”; antes, “será um percurso longo”.

“E agora”, “o que queremos destes edifícios?”, perguntou a Vereadora da CMB. Pretendia-se, conforme referiu, uma conversa informal – que acabou por acontecer –, “ouvir aqueles que, de alguma forma, publicamente se têm vindo a manifestar sempre preocupados com estas questões do património”.

 

“Classificação integral”

 

De acordo com o Presidente, a CMB tem como objetivo último “a classificação integral” do Património Moageiro do Concelho.

 

Carlos Humberto de Carvalho deu conta que a CMB integrou, numa candidatura da AML, financiada a 50 por cento a fundo perdido (inserida no Pacto para o Desenvolvimento e Coesão Territorial da AML 2014/2020), duas intervenções de recuperação do Moinho de Maré Pequeno e nos de vento. As “pré-candidaturas”, como frisou, aguardam a formalização, que, a suceder, desencadeará as candidaturas específicas.

No curto, médio prazo, avançou o Presidente, “é nossa intenção, no que diz respeito ao Património Moageiro, recuperar o Moinho Pequeno e zona limítrofe, recuperar e limpar a zona do Moinho Grande e recuperar as suas comportas, e fazer uma intervenção nos moinhos de Vento”.

 

No encontro foram apresentadas múltiplas sugestões, registadas pelos responsáveis e que serviram de base para discussão, no momento, e ficaram anotadas para futura análise/debate.

 

O processo de classificação, documento em discussão pública, pode ser consultado no Sítio Oficial da CMB na Internet, página http://www.cm-barreiro.pt/frontoffice/pages/792?news_id=5152.

 

Aquisição do Moinho Grande aprovada na Reunião de Câmara de 29 de julho

 

Na Reunião Ordinária Pública de 29 de julho, a CMB aprovou a minuta do contrato para a aquisição de parcelas de terreno em Alburrica, que incluem o Moinho Grande e a caldeira onde este se insere – a maior ali existente – e edifícios contíguos. Trata-se de uma aquisição, no valor de 216 mil euros, com o objetivo último de recuperar toda aquela zona.

 

«Alburrica caracteriza-se por ser um território ribeirinho onde prevalece a estrutura natural, influenciada pelos estuários dos rios Tejo e Coina, a sua proximidade com a malha urbana torna toda esta área num importante elemento paisagístico, histórico, identitário e emocional que se impõe na memória local e reclama uma apropriação salutar por parte dos cidadãos, para um maior contacto com elementos naturais, emblemáticos da história desta cidade.

 

Foram os valores naturais deste território que propiciaram a instalação de equipamentos de moagem e o surgimento de uma indústria de moagem nesta zona através da utilização das energias renováveis como a força da água e do vento, actividades que construíram a identidade do Barreiro, o património moageiro singular de Alburrica com vários moinhos de maré contíguos a moinhos de vento localizados na praia.

 

O interesse na aquisição da presente parcela de terreno, resulta de uma estratégia definida pelo Executivo Municipal, por meio da qual, e sobretudo nos últimos anos, um dos eixos principais de actuação passa por priorizar as intervenções de regeneração urbana nas áreas/frentes ribeirinhas e a s consequente maior fruição pela população e visitantes.

 

Deste facto, são exemplos as operações, incluída no programa REPARA que recentemente foram concluídas na Av. Bento Gonçalves, na zona envolvente à Igreja de Nossa Senhora do Rosário, na Rua Miguel Pais, e na área de “Alburrica” – local onde ganha especial destaque a construção de diversos passadiços que permitiram que definitivamente os cidadãos do Barreiro passassem a usufruir daquele local. Existem ainda outras actuações que foram, e estão a ser implementadas, em estreita colaboração com entidades exteriores ao município, destacando-se as intervenções na muralha da Av. Bento Gonçalves e, mais recentemente, o prolongamento do Passeio Augusto Cabrita. Por último, entre um conjunto de estudos e projectos que os serviços continuam a desenvolver e a acompanhar para estas áreas, há que destacar o concurso EUROPAN 13 que se encontra a decorrer para a área da antiga Estação do Sul e Sueste e áreas complementares envolventes», refere a Deliberação aprovada.

 

As infraestruturas adquiridas são as seguintes:

  1. a) Casa de rés-do-chão (escritório) com a área coberta de 80,40 m2 e descoberta de 71,75 m2;
  2. b) Casa de rés-do-chão (armazém) com a área coberta de 189,00 m2;
  3. c) Casa de rés-do-chão (armazém) com a área coberta de 221,00 m2;
  4. d) Casa de rés-do-chão (armazém) com a área coberta de 569,50 m2;
  5. e) Terreno constituindo a caldeira do Moinho Grande, com a área descoberta de 60 000,00m2

 

Este encontro estava integrado na Programação das Festas do Barreiro 2015 que, como se sabe, decorrem até 17 de agosto. +INFO: http://www.cm-barreiro.pt/pages/833.

 

Todas as deliberações podem ser consultadas no Sítio Oficial da CMB na Internet, página http://www.cm-barreiro.pt/pages/438.

 

A reprodução textual da informação implica a referência da sua autoria: CMB