Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Coimbra será palco de exposição de arte de mais de 70 artistas portugueses

232 Celsius é o nome da exposição do Coletivo Pescada Nº5 que vai acontecer nos dias 12 e 13 de novembro no antigo edifício da Coimbra Editora, que pertence atualmente à Critical Software
Adolfo Caboclo e Luís Januário fazem parte do leque de artistas que vão apresentar o seu trabalho na exposição
 
Nos próximos dias 12 e 13 de novembro, as portas do antigo edifício da Coimbra Editora vão estar abertas ao público com uma exposição de arte do Coletivo Pescada Nº5, 232 Celsius, que estabelece diálogo com o romance Fahrenheit 451 de Ray Bradbury. Esta exposição conta com o trabalho de mais de 70 participantes portugueses que têm desenvolvido objetos, instalações e performances relacionadas com três diferentes temas: a memória, o fogo e a palavra.

A Coimbra Editora, espaço da Critical Software e local histórico da cidade, continua a contribuir para a promoção da arte feita pela comunidade. Esta exposição pretende dar a conhecer o trabalho do coletivo que teve como objetivo proporcionar uma experiência na qual todos leem o que puderem ler, todos queimam o que deve arder e, por fim, todos lembram o que tiver de ficar.

“Na Coimbra Editora já não se fazem livros. Mas pode nascer muito do que faz um livro, como seja, partilha, criatividade, vontade de construir comunidade, ou de intervir no mundo. Estamos muito entusiasmados por acolhermos a Pescada Nº 5” afirma Gonçalo Quadros, Chairman da Critical Software.

Nas instalações relacionadas com a “memória”, os artistas mergulham nas suas recordações e entram no realismo fantástico ou memórias falsas que estão relacionadas com a perceção que se tem quando se pensa numa situação vivida. Já no tema “fogo”, a ideia das instalações é mostrar a propriedade que o fogo tem de conseguir consumir e destruir por completo objetos. No tema da “palavra” foi pensado na parte escrita em papel, de forma artesanal e mecânica, dialogando sempre com a oralidade.

A exposição do Coletivo Pescada Nº5 estará aberta no dia 12 das 15 horas até às 22h30 e no dia 13 das 15 horas até às 18 horas.