Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Concerto Campestre devolve a serenata L’Angelica ao Palácio de Queluz

 

- Escrita em 1778 por João de Sousa Carvalho, estreou no Palácio de Queluz

- Género musical dramático aparentado com a ópera mas sem encenação

 

 

 O Palácio Nacional de Queluz recebe a 18 de outubro, integrada no Ciclo de Outono da Temporada de Música, a serenata L’Angelica, em versão de câmara, interpretada pelo ensemble Concerto Campestre com direção musical de Pedro Castro.

 

A serenata L’Angelica foi composta por João de Sousa Carvalho em 1778, consistindo num género de música dramática aparentado com a ópera mas com dimensões mais reduzidas e geralmente executada sem encenação. Baseada num libreto de Pietro Metastasio, foi a primeira serenata realizada por este compositor ao serviço da corte de D. Maria I, aparentemente, dedicada à sua irmã, Maria Benedita, e executada nos Palácios Nacionais de Queluz e da Ajuda.

 

Com o nome inspirado no famoso quadro de  Giorgione, o Concerto Campestre é um grupo de música de câmara que se dedica à interpretação da música europeia, desde o Renascimento ao período Barroco, chamada de "música antiga". É constituído por jovens profissionais especialistas nos instrumentos da época, tais como cravo, oboé barroco, viola da gamba e violoncelo barroco.

 

A personagem de Angelica será interpretada por Joana Seara, a de Medoro por Lidia Vinyes Curtis, a de Orlando por Fernando Guimarães, a de Licori por Luísa Tavares, e a de Tirsi por Sandra Medeiros.

 

Segundo Pedro Castro, “esta será a primeira vez que a serenata vai ser realizada, nos dias de hoje, no Palácio de Queluz, onde originalmente foi estreada”. O diretor musical acrescenta que “realizar música no Palácio de Queluz é para mim quase inevitável, arrisco a dizer que deveria ser obrigatório”.

 

Este concerto é demonstrativo da atenção que o Centro de Estudos Musicais Setecentistas de Portugal (CEMSP), situado no Palácio, está a dar ao património musical em relação com a vida do próprio Palácio. Havendo registo de mais de 80 destas obras realizadas por todo o séc. XVIII, 35 das quais no último quartel, torna-se evidente a importância desta tradição nacional, apesar de a mesma não se refletir ainda nas salas de concerto atuais.

 

O concerto tem um preço entre 20 Euros (adultos) e 10 Euros (estudantes), e os bilhetes podem ser adquiridos nas bilheteiras da Parques de Sintra, online na Blueticket, bem como na FNAC, Worten, El Corte Inglés, MEO Arena, Media Markt e Postos de Turismo Aeroporto e Pç. Do Comércio.

 

O Ciclo do Outono é um evento organizado pela Parques de Sintra em parceria com o Centro de Estudos Musicais Setecentistas de Portugal (CEMSP), que tem direção artística de Massimo Mazzeo. Depois do Ciclo de Carnaval, que teve lugar em março, é agora vez do Ciclo de Outono trazer grandes nomes da música nacional e internacional em cinco concertos no Palácio Nacional de Queluz. Desta vez o destaque é dado aos agrupamentos: duos, trios e orquestras.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.