Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Concurso de Vídeo Fundação INATEL 9ª edição | Mostra de obras Selecionadas e entrega de prémios | 13 e 14 Dezembro 2014 | ENTRADA LIVRE

Concurso de Vídeo Fundação INATEL 9ª edição

Mostra de obras Selecionadas e entrega de prémios

Cinema City Alvalade | 13 e 14 dezembro 2014 | 19h00

Entrada livre (sujeita à lotação da sala)

 

image002.jpg

 

Ao longo de dois dias, no Cinema City de Alvalade, serão exibidas 18 curtas-metragens selecionadas pelo júri do Concurso de Vídeo Fundação INATEL 9ª edição, constituído por Rui Simões, Maria do Campo Piçarra, Rita Redshoes e Clara Bertrand Cabral

 

O Concurso de Vídeo Fundação INATEL visa dar oportunidade a realizadores de todas as idades de divulgar os seus trabalhos, nas categorias de:

  • Prémio PATRIMÓNIO IMATERIAL / Género Documental –  distinção implementada no âmbito da missão da Fundação INATEL de consultora da UNESCO para a salvaguarda do Património Cultural Imaterial;
  • Prémio FUNDAÇÃO INATEL / Género Ficção;
  • Prémio JOVEM REALIZADOR.

 

Atribuição dos seguintes prémios, no dia 14 de dezembro a partir das 20h40: Prémio PATRIMÓNIO IMATERIAL: €1500 Prémio FUNDAÇÃO INATEL: €1500 Prémio JOVEM REALIZADOR: €1000

 

Filmes em competição e exibição:

 

Género Ficção – Prémio Fundação INATEL

  • O Retrato de Mónica
  • O Retrato de Irineu
  • Acaso numa tarde
  • Do outro lado da rua
  • Por aqui nada de novo
  • Imaginarium
  • A Carruagem
  • Erophília-Génesis
  • Se o tempo fosse remédio
  • Sussurro

 

Prémio Património Imaterial / Género Documentário

  • Mactare
  • Noite dos Tapetes- Entre o divino e o profano
  • A Cigana do Palmeiral
  • Poço das Almas
  • Flutuando
  • Memórias da Escola
  • Homens do Mar
  • Águas Passadas

 

 

JÚRI

 

Rui Simões

Rui Simões estudou Realização de Cinema e Televisão no I.A.D. - Institut des Arts de Deffusion em Bruxelas. Iniciou uma relação profissional com o cinema na Bélgica, como fotógrafo de cena. Mais tarde, em 1974 e em Portugal, Rui Simões começa a sua atividade cinematográfica, realizando duas longas-metragens cinematográficas documentais e três curtas-metragens sobre a realidade portuguesa. Desde 1982, Rui Simões criou diversos trabalhos, a maior parte na forma de documentário, desenvolvendo também obras relacionadas com outras artes (pintura, dança, teatro, arquitetura, música).

 

Maria do Carmo Piçarra

Maria do Carmo Piçarra foi crítica de cinema em várias publicações (O Independente, Première, Sábado), e é atualmente jornalista, investigadora do Centro de Investigação de Media e Jornalismo (CIMJ-UNL) e professora universitária (ISCTE-IUL). Doutorada em Ciências da Comunicação pela Universidade Nova de Lisboa, é autora das obras Salazar vai ao cinema, em dois volumes (2006, 2011), O cinema Ideal e a Casa da Imprensa – 110 anos de filmes (2014), além de coordenar a trilogia Angola, o nascimento de uma nação (vol. 1, O cinema do império, 2013; vol. 2, O cinema da libertação, 2014). Desde Setembro de 2014 é bolseira da FCT no âmbito da investigação de pós-doutoramento “Cinema Império. Portugal, França e Inglaterra, representações do império no cinema”.

 

Rita Redshoes

Rita Redshoes é uma compositora, arranjadora, produtora e letrista que conta com três discos na sua carreira a solo. Golden Era (2008), disco galardoado e de estreia, e Lights & Darks (2010) deram a conhecer a sua música ao nível nacional, mas contam ambos com edição internacional na Escandinávia, Benelux e França e o mais recente Life is a Second of Love (2014). Iniciou o seu percurso como baterista num grupo de teatro de escola (1997), passou por inúmeros projetos musicais como autora e intérprete, onde tocou vários instrumentos e gravou vários discos (Atomic Bees, Photographs, Rebel Red Dog, David Fonseca, The Legendary Tigerman, Noiserv) e tem colaborado em inúmeras bandas sonoras premiadas para teatro e cinema, também com discos editados nesta área. Foi galardoada com o Prémio Sophia, em 2013, na categoria de Melhor Música (em co-autoria com The Legendary Tigerman), pelo filme Estrada de Palha.

 

Clara Bertrand Cabral

Antropóloga e Mestre em Ciências Antropológicas, realiza pesquisa nas áreas de etnografia, etnotecnologia, museologia e património. Atualmente é responsável pelo Sector da Cultura na Comissão Nacional da UNESCO. Desde 2007 tem vindo a realizar investigação sobre a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial e a sua aplicação em Portugal. Em Setembro de 2011, editou o livro Património Cultural Imaterial. Convenção da UNESCO o seus Contextos, com o apoio da Fundação INATEL.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.