Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

CONFERÊNCIA "A Prima Donna é uma Mulher!" no âmbito da exposição "Cantores de Ópera" | MUSEU NACIONAL DA MÚSICA

dc.png

 

Prof. Dr. David Cranmer

Radicado em Portugal desde 1981, o musicólogo e organista inglês, David Cranmer, é docente da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Nova de Lisboa, onde leciona no Departamento de Ciências Musicais. É doutorado da Universidade de Londres (1997) e membro do Centro de Estudos da Sociologia e Estética Musical (CESEM). É igualmente pesquisador responsável pelo projeto Marcos Portugal, assim como pelo Caravelas – Núcleo de Estudos da História da Música Luso-Brasileira. Nos últimos anos tem-se dedicado sobretudo a investigações sobre aspetos da ópera e música teatral em Portugal e no Brasil, nos séculos XVIII e XIX. Orientou pesquisas sobre vários aspetos da música em Portugal e no Brasil a mestrandos, doutorandos e pós-doutorados.

É co-autor (com Manuel Carlos de Brito) de Crónicas da vida musical portuguesa na primeira metade do século XIX (Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1990) e (com Clement Laroy) de Musical openings (Harlow: Longman, 1992), autor de Laudate Domino: introdução à música sacra (Lisboa: Paulus, 2009) e de Música no d. Maria II: catálogo da coleção de partituras (Lisboa: Teatro Nacional D. Maria II/Bicho-do-Mato, 2015), e editor de Mozart, Marcos Portugal e o seu tempo (Lisboa: Edições Colibri/CESEM, 2010), de David Perez: Variazioni per mandolino (edição fac-similada com introdução, Lisboa: Edições Colibri/CESEM, 2011) e de Marcos Portugal: uma reavaliação (Lisboa: Edições Colibri/CESEM, 2012). É autor igualmente de várias dezenas de capítulos em livros e artigos em periódicos nacionais e internacionais. Atuou como orador convidado em eventos científicos em Portugal, Espanha, França, Inglaterra, Áustria, Itália e no Brasil (Rio de Janeiro, Niterói, Juiz de Fora, São Paulo, Campinas, Ribeirão Preto e Pirenópolis).

Em Lisboa, é organista da Igreja Anglicana de Saint George desde 1982, tendo atuado igualmente em recitais de órgão em Portugal, França, Inglaterra e no Brasil. No ano 2000 gravou, com o Coro de Câmara de Lisboa, o disco “A Capela do Rei Magnânimo”, dedicado à música sacra (e para órgão) do reinado de D. João V (na etiqueta PortugalSom). Desde 2011 participa regularmente (como pianista e cravista) nos concertos do conjunto “Academia dos Renascidos”, um grupo de cantores e instrumentistas que se dedica especialmente à recuperação dos repertórios menos conhecidos portugueses e brasileiros. De 1997 a 2001 foi Diretor Artístico do Festival Internacional de Música de Mafra.

 
 
PRÓXIMOS EVENTOS NO MUSEU NACIONAL DA MÚSICA: