Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Conversa com António Fonseca e oficina de cine-memória com Nuno Preto ocupam a Casa este fim de semana (16 e 17 março, CDMG)

f5c8a431148a435441229.jpg

 

Este fim de semana, a Casa da Memória de Guimarães (CDMG) acolhe a conversa ‘O Teatro da Memória do Teatro’ com o ator António Fonseca, a 16 de março, às 17h00, e a oficina Domingos em Casa ‘Memória Futura’ com o também ator Nuno Preto, no dia 17, às 11h00. A Casa volta assim a ser um espaço de eleição para receber as famílias e todo o público que aqui escreve a sua existência nesta cidade, em permanência ou de passagem, um lugar onde nos lembramos de e a partir de Guimarães, cumprindo a sua missão enquanto centro de interpretação e conhecimento que expõe, interpreta e comunica testemunhos materiais e imateriais que contribuem para um melhor conhecimento da cultura, território e história de Guimarães, das pessoas de diferentes origens e mentalidades que a fizeram e fazem, trabalhando com e para a comunidade, especialistas e agentes locais e de todas as proveniências, com vista ao desenvolvimento de uma cidadania ativa e participativa.
 
Este sábado, 16 de março, às 17h00, o espaço do Repositório da CDMG recebe o ator António Fonseca para protagonizar a conversa ‘O Teatro da Memória do Teatro’, aberta a todo o público. António Fonseca memorizou os dez cantos d’Os Lusíadas, numa epopeia pessoal em que embarcou há perto de uma década. Como é que um ator decora um texto com esta extensão? É a pergunta de partida para a proposta do ciclo de conversas Memórias da Memória, uma reflexão sobre a memória – biológica ou arquivística – para lá da coletiva que preenche a Casa da Memória. A entrada é gratuita, com limite de participação condicionada ao espaço existente.
 
Na manhã de domingo, 17 de março, às 11h00, os Domingos em Casa voltam pela mão de Nuno Preto para uma oficina de cine-memória para toda a família e todos os apreciadores e amantes da sétima arte. Num domingo por mês, a Casa da Memória é a sala de estar. A partir da programação do espaço, a cada nova sessão há uma proposta de oficina dirigida para famílias onde se podem experimentar ou partilhar histórias ou tradições, lugares ou objetos. O convite, desta feita, é para fazer um filme a preto e branco. Criar uma memória deste domingo e entender como esta se fixa num objeto como este. A participação nesta oficina de cine-memória, criada e orientada pelo ator Nuno Preto, tem o custo de 2 euros e a inscrição pode ser realizada através de telefone 253424700 ou e-mail mediacaocultural@aoficina.pt. Intitulada ‘Memória Futura’, é uma oficina dirigida a famílias com crianças a partir dos 3 anos de idade.
 
Lugar de encontro da comunidade com o exterior e da comunidade consigo própria, que propõe uma visão múltipla, diversa e não linear do passado, presente e futuro de Guimarães, aqui e no mundo. Assim é a Casa da Memória, orientando-se pelos valores da aprendizagem, conhecimento, pertença, tolerância e diversidade. Recorda-se que a Casa da Memória nos convida a explorar, de forma permanente, a exposição 'Território e Comunidade', onde podemos encontrar histórias, documentos, factos e objetos que permitem conhecer diferentes aspetos da comunidade vimaranense. Na CDMG, é também possível realizar Visitas Orientadas e Oficinas Criativas ao longo de todo o ano, sujeitas a marcação com através de telefone 253424700 ou e-mail mediacaocultural@aoficina.pt.
 
A CDMG encontra-se aberta de terça a domingo, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 19h00. Aos domingos de manhã, a entrada é gratuita. A programação pode ser consultada em www.casadamemoria.pt.