Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Cultura em Movimento - Teatro Físico: Insekto pelo Teatro do Mar - MOITA

insekto_1_750_2500.png

 15 de Julho

22:00h

Praça da República, na Moita

Espetáculo de Teatro Físico, Visual, Não-Verbal e Música Original, com recurso a Acrobacia Aérea

INSEKTO (do esperanto: pessoa insignificante) é um espetáculo de teatro físico/gestual, visual e não-verbal, com recurso a acrobacia aérea e música original.
A Metamorfose conta a história de Gregor Samsa, um homem que acorda um dia transformado num inseto. Nesta obra, o autor discorre sobre o estado emocional do ser humano, analisando o comportamento de Gregor e de sua família.
Esta história lida com um acontecimento absurdo e irracional que sugere um mundo confuso e caótico. Em INSEKTO a ideia de labirinto (maze) é a arquitetura física e interna de toda a criação. O labirinto, não apenas como estrutura física, mas antes um estado mental, de alma, surge como metáfora da mente da personagem central e da vida quotidiana e rotineira da família. Personagens perdidas e sem rumo aparente, labirintos de portas e paredes invisíveis que cerram os indivíduos em círculos sociais, ou os imaginados, que criam desejos e fugas mentais.
Nessa topografia do desejo, construímos uma série de contiguidades que desvirtuam a vulgar conceção espacial. O homem desabrigado, alienado e esvaziado, tem como paraíso a imagem de um lar, de uma “casa” que possa
finalmente abrigá-lo e protegê-lo das angústias do existir. Mas esse espaço familiar também é assombrado.
Para o espectador a visão é sempre parcelada por um espaço em permanente mutação. Nada é inteiro ou sólido e as perspetivas mudam no decorrer de toda a acção narrativa.
Em INSEKTO centramo-nos na história da família e nas suas relações frágeis, fragmentadas, em rutura, como metáfora do mundo. Prisioneiro da sua própria vida, do trabalho, das regras familiares e finalmente do seu próprio corpo, Gregor é o homem comum, submisso às normas da sociedade e em contradição com a sua própria natureza, que acaba por implodir, por se metamorfosear num “repelente inseto.