Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

DEFINITIVAMENTE AS BAHAMAS, de Martin Crimp

O Teatro do Eléctrico apresenta de 19 a 21 de Janeiro, no Cineteatro Louletano, o espectáculo Definitivamente as Bahamas, de Martin Crimp, uma encenação de Ricardo Neves-Neves e interpretação de Custódia GallegoMarques D’Arede e Cristina Gayoso Rey.

Foto promo1_créditos fotográficos António Ignê

Sinopse:
Definitivamente as Bahamas é uma peça do dramaturgo inglês Martin Crimp escrita em 1986, para três actores de duas gerações distintas: o casal sexagenário protagonizado por Custódia Gallego e Marques d’Arede; e a estudante originária da Galiza, pela jovem actriz galega Cristina Gayoso Rey.

Um casal de reformados, Tita e Gui, casados há décadas, falam-nos na sala de estar da sua casa. O casal aluga um quarto da sua casa a uma jovem estudante, que de vez em quando cruza a cena para pouco mais do que atender o telefone, mas cuja presença põe em cheque toda a normalidade que se tenta fabricar na descrição do quotidiano.

Tendo sido originalmente escrita para a Rádio, a peça contém uma forte carga irónica e de humor negro, servida por ritmo vertiginoso e fervilhante.
A dinâmica textual entre as personagens convida o espectador a entrar nesta sala de estar, onde próximo dos protagonistas, fará um trabalho de detective para preencher os vazios que as personagens deixam e compreender que a leveza do tom e aparente superficialidade pode esconder algo mais preocupante e grave. Apesar de estarmos perante um retrato da morbidez e maldade humanas, às vezes realista, às vezes caricatural, sabemos tanto pelo que é dito como pelo que é não dito, que não podemos descansar sobre a aparência inofensiva das personagens.

Apesar de escrita há mais de 30 anos, encontramos hoje uma relação com o discurso centrado nas questões da migração e dos choques culturais, resultando numa posição excessiva e alarmista sobre a presença do Outro nas nossas vidas, mas acima de tudo no nosso discurso e imaginário. A peça ganha agora um significado renovado com a ascensão dos nacionalismos, do populismo e da xenofobia. Apesar de escrita no período em que o Reino Unido era um estado membro e pilar importante da União Europeia, percebe-se que a peça se ergue em cima dos mesmos alicerces do pensamento individualista sobre a soberania política que levou, por exemplo, ao Brexit, mais de 3 décadas depois da sua estreia.