Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Dia Mundial da Música celebrado no Centro Cultural Vila Flor com concerto da Orquestra do Norte (01 outubro)

Ciclo de concertos para piano e orquestra dedicado à Professora Helena Sá e Costa

regressa a Guimarães

 

Dia Mundial da Música celebrado no Centro Cultural

Vila Flor com concerto da Orquestra do Norte

 

image002.jpg

No próximo dia 01 de outubro, Dia Mundial da Música, o Grande Auditório do Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, recebe a Orquestra do Norte que volta à música para piano e orquestra naquele que é o segundo ciclo de concertos dedicados a Helena Sá e Costa, intérprete e professora com profundas ligações à cidade de Guimarães, tanto por laços de família (esta foi a terra natal do avô, Valentim Moreira de Sá), como pela programação dos Encontros da Primavera, evento do qual foi diretora artística.

 

Uma junção de notas perfeitas, que explicam desde logo o objetivo desta proposta: a exploração do grande reportório concertístico para o instrumento, que esta pianista tocou e ensinou a várias gerações de alunos, transmitindo o amor, mas também o rigor e a musicalidade que lhe davam o acesso às maiores salas de concerto do mundo. A exigência e o virtuosismo das obras escolhidas para este ciclo pedem pois a presença de outros grandes nomes da atual cena pianística internacional, como Antonio Di Cristofano e Jania Aubakirova, a que se junta um novo mas já reconhecido valor da música portuguesa, Eduardo Jordão. Afinal, este conjunto de apresentações serve também um propósito global da Orquestra do Norte - o de incentivar o lançamento de promessas nacionais que se afirmam entre os consagrados, divulgando, de forma complementar e articulada, tanto as grandes obras como os intérpretes que lhes dão vida. 

 

Neste primeiro concerto do ciclo, com a direção musical de Nuno Côrte-Real, o jovem pianista Eduardo Jordão tem como desafio uma partitura que o próprio Ludwig van Beethoven (1770-1827) tocou na estreia, em 1803, começando aí a aura desta peça. A obra, de gestação complexa e que se prolongou no tempo, era precursora, dando um novo corpo sinfónico à forma tradicional do concerto, pela dimensão das diferentes partes bem como pela sua capacidade lírica, material que Beethoven havia de explorar cada vez mais nas suas posteriores criações para piano e orquestra.

 

Exigindo desde logo todo o virtuosismo do intérprete, a fase inicial mais dramática deste concerto assume, no segundo andamento, a alternância entre instrumentos de uma melodia quase intangível, que se queria harmoniosa e celestial, para concluir, de forma triunfante, com uma massa musical impressiva da orquestra.

 

Para a segunda parte do concerto, a Orquestra do Norte escolheu uma sinfonia, a primeira de Johannes Brahms (1833-1897), que revela claramente a influência e a admiração que o compositor sentia por Beethoven. A peça teria demorado mais de uma década a concluir, dada a exigência e talvez até falta de confiança do autor. Este acabaria por se tornar um dos grandes compositores românticos, completando as suas peças orquestrais de maior fôlego e dramatismo, como esta obra, já numa fase de maturidade criativa.

 

Recordamos que a Orquestra do Norte concretiza, desde 1992, um projeto de descentralização da cultura musical que tem vindo a ser desenvolvido pela Associação Norte Cultural, desde que esta venceu o primeiro concurso nacional para a criação de orquestras regionais, instituído pelo Estado Português nesse mesmo ano. Os objetivos básicos que sempre inspiraram a atividade da Orquestra do Norte passam pela criação de novos públicos, pelo apoio à música e aos músicos portugueses e pela constante renovação de um repertório cuidadosamente selecionado. Coerente com esta orientação, tem realizado concertos de norte a sul do país de forma a levar a música clássica a todos os setores da população. A Orquestra do Norte realiza as obras maiores da história da música, servindo o grande repertório orquestral, do barroco à música contemporânea, dando especial atenção à difusão da música portuguesa.

 

Este concerto da Orquestra do Norte, agendado para o próximo dia 01 de outubro, às 22h00, no Centro Cultural Vila Flor, terá entrada gratuita. Os bilhetes estarão disponíveis a partir das 10h00 do dia do concerto, no Palácio Vila Flor, no máximo de 2 bilhetes por pessoa.