Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

DIVULGAÇÃO TDI 2014 - Espectáculos

MIGUEL BONNEVILLE E MARIA GIL // MEDO E FEMINISMOS
NEGÓCIO | 17 > 20 DEZ | 21h30

sIMG_4639.jpg

 

Medo
Duas pessoas, que manifestam um saber arquivista sobre medos, estão sentadas lado a lado para evocar medos passados presentes e futuros; autobiográficos ou não. Medos que se transformam em medos sociológicos, em manifestações do controlo político que é exercido sobre a sociedade, sobre as pessoas. A partir dos conflitos internos de cada performer constrói-se uma apresentação fragmentada com direito a pequenos actos de sarar que não pretendem mais do que transformar veneno em remédio.
TENHO MEDO DE IR À SEGURANÇA SOCIAL
Tenho medo de ter dívidas enormes das quais não sei. Tenho medo de esperar infinitamente. Tenho medo de ligar para lá para marcar o meu lugar. Acho que só lá fui uma vez e gostava de nunca mais lá voltar. Tenho medo de assistir a cenas dramáticas e de pensar que não há nada que eu possa fazer. De pensar que a minha cena dramática acontecerá também, talvez só dentro do meu corpo. Que há milhões de pessoas em situações muito piores e que é absolutamente ridículo nascermos para isto, para sermos números e termos funções e para vivermos eternamente sob a tirania de um paizinho – de vários paizinhos – que nos fodem a torto e a direito. Prefiro pai nenhum a paizinhos destes e paizinhos daqueles.

Feminismos
De forma nostálgica e pessoal evocam-se alguns dos momentos mais significativos para a arte da performance feminista, seguindo-se uma reflexão pessoal sobre a prática do feminismo nos dias de hoje. A palestra termina com a recriação de duas performances feministas do século XX.
Perguntei-lhe o que é que ela achava sobre a emancipação das mulheres e ela respondeu-me que achava bem, depois perguntei-lhe o que é que ela achava sobre as mulheres poderem exercer a sua sexualidade sem tabus e ela respondeu-me que achava bem, depois perguntei-lhe o que é que ela achava sobre a violência doméstica e de esta estar a aumentar com a crise, sobretudo nos jovens e ela respondeu-me que achava mal, e finalmente perguntei-lhe o que é que ela achava sobre o papel das feministas na sociedade e ela respondeu-me que as feministas pensam muito nelas, que são muito egoístas.


Direcção: Maria Gil | Co-Criação: Maria Gil e Miguel Bonneville | Apoio Cénico: Pedro Silva | Produção: Teatro do Silêncio | Projecto apoiado pela Fundação Calouste Gulbenkian
http://www.tempsdimages-portugal.com/2014/programa/29_bonneville.html


CARLOTA LAGIDO // RO.GER
TEATRO DA POLITÉCNICA | 18 > 20 DEZ | 21h00

Promo_Medo%20e%20Feminismos-®Miguel%20Bonneville.

 


“Ro.ger é o momento em que percebemos que nunca mais voltaremos a ver alguém”
Supostamente Ro.ger não é um espectáculo, poderia antes ser uma coisa, uma coisa sem nome, sem definição, sem espaço, sem suporte, sem corpo mas não é, tem tudo isso., é tudo isso. Por vezes ausenta-se e deixa de ter corpo para passar a ser apenas a memória da sua imagem no espaço. Ro.ger não é alguém, é uma entidade, mas também é um contentor de humanidade e desumanidade. É Pan. Não é homem nem mulher mas por vezes é um flamingo, por vezes é Dorothy, por vezes é Pandora, por vezes é o am.or, por vezes é o meu demónio preferido à procura de paraísos. É dor, é o mundo a ganir de dor.
Ro.ger é um projecto em constante mutação. Pode ser um performance, como pode ser um filme, um desenho, um poema, ou um evento no Facebook. Ro.ger é um estado.

Carlota Lagido

Concepção e direcção artística: Carlota Lagido | Co-criação e interpretação: Leonor Keil, Pedro Santiago Cal, Carlota Lagido | Vídeo: Antoine Pimentel e Carlota Lagido | Texto: F.S.Hill, Pedro Santiago Cal | Apoio Dramatúrgico: João Manuel de Oliveira | Design de Cena, Luz e Som : Carlota Lagido | Fotografia: Joana Linda | Design Gráfico: thisislove | Produção: Gattopardo | Co-produção: Duplacena/Temps d’Images
http://www.tempsdimages-portugal.com/2014/programa/30_lagido.html


MARA CASTILHO //
X - YOU
GALERIA DA BOAVISTA | 19 DEZ > 21h00 às 22h30


PERFORMANCE-INSTALAÇÃO
As personagens habitam um espaço fictício entre o céu e o inferno. As suas ações e movimentos são criados a partir de testemunhos e imagens, obtidas pela artista, durante uma viagem ao redor da Bósnia & Herzegovina no pós-guerra. Baseada em factos reais - testemunhos de pessoas que passaram pela Guerra da Jugoslávia 1991-1995, a obra aborda os atos da guerra, de uma forma metafórica, que confronta o espectador com imagens paradas e ao mesmo tempo em constante movimento.
*X-You (ex-Yugoslavia) foi criado especialmente para a Competição Internacional de Performance (Galeria Cívica, Itália) e é apresentada pela primeira vez em Portugal.


Encenação: Mara Castilho | Interpretes: Mara Castilho, Maria Radich e Patricia Filipe | Assistencia Cenografica: Patricia Filipe | Sound Design: Marcelo Vig | Produção: Mo.Tiv (Pt/Uk/It) | Agradecimentos: Maria Radich, Patricia Filipe e DuplaCena
http://www.tempsdimages-portugal.com/2014/programa/26_castilho.html


Reservas para:
 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.