Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Em novembro, o SOM de GMR faz-se ouvir no palco do CCVF com o projeto Ana (03 novembro)

Ana protagoniza o penúltimo concerto deste ciclo dedicado à exploração do talento local, que integra um total de 10 espetáculos apresentados ao longo deste ano no Café Concerto do CCVF

No dia 03 de novembro, às 23h00, o Café Concerto do Centro Cultural Vila Flor recebe o projeto Ana, naquela que será a penúltima atuação do ciclo de concertos SOM de GMR. No arranque do segundo tomo de espetáculos no âmbito deste ciclo, o Café Concerto do CCVF apresentou ao público This Penguin Can Fly (em outubro), encerrando o mesmo, em dezembro, com os Smartini. Entretanto, é tempo de dar o palco à música de Ana, que esta sexta-feira reúne o mentor do projeto, Gabriel Salgado, com o seu amigo de longa data, Diogo Alves Pinto, mais conhecido como Gobi Bear.

 

image003.png

 

Ana não é uma mulher. Apesar do nome feminino, quem se apresenta ao público é Gabriel Salgado que, acompanhado da sua guitarra, cria universos delicados. O músico esconde-se assim por trás do nome que gera graça nos trocadilhos quando surge frente à plateia. Gabriel Sagado, ainda novato nestas andanças, vai vendo a sua qualidade reconhecida a cada atuação ao vivo pela forma delicada e assertiva como maneja a guitarra que sempre o acompanha. A cada nota expõe o seu ainda tímido talento e embala quem o ouve numa suavidade que entorpece e faz querer mais. Diogo Alves Pinto, amigo de longa data e mais conhecido por Gobi Bear, foi quem o desafiou a gravar umas músicas e começar a tocar. Agora, o Café Concerto acolhe os dois compinchas, para tocarem o repertório de Ana, para deleite dos apreciadores de música que é simplesmente bonita.

 

Dezembro encerra o ano e também este ciclo, que ao longo de 2017 rastreou a melhor música que se faz em Guimarães e na região. Para o fecho do SOM de GMR, o Café Concerto do CCVF recebe, no dia 01 de dezembro, os Smartini. Este quarteto, junto desde 1992 (ainda que se apresentassem com outro nome), começou a tocar sob a influência do grunge de Seattle, género que se tornou símbolo de uma geração que berrava um descontentamento com a sociedade do momento. Os Smartini cresceram e buscaram outras inspirações com sonoridades mais harmónicas e em 2016 regressaram, confirmando toda a sua vitalidade com o EP “Liquid Peace”.

 

Consuma-se, assim, uma segunda janela de observação sobre o espetro de criação musical que originou o ciclo “SOM de GMR” e completa-se a sua documentação com um total de 10 projetos. O Café Concerto do Centro Cultural Vila Flor será, desta forma, integralmente programado por este ciclo até ao final do ano, anunciando de uma forma muito evidente este novo tempo de criação que se vive em Guimarães.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.