Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

EMARP - Exposição Fotografia Drenagem de Adriana João

 



DRENAGEM

Fotografia
ADRIANA JOÃO
 
16 de outubro a 24 de novembro 2017
Dias úteis das 8h30 às 17h30

ce66437c-1fcf-480c-a5b2-31074e17461c.jpg

 

Adriana João abandonou, aparentemente, a sua bolha aquática envolvente a 9 de abril de 1998, em Almada. Desde então, depara-se com uma necessidade de transpor exteriormente, através de meios singulares irregulares, a sua constante inerente tentativa de análise pessoal e relacional. Pela sua perceção e auto-filtração das consequências da consciência e memória humana, o seu ponto expressivo debruça-se principalmente sob(re) as artes plásticas, a fotografia e o som, resultando em estímulos pessoais de peculiares sentidos/significados, através de sensações despoletadas captadas pelos sentidos/sensoriais.
Encontra-se atualmente a frequentar o segundo ano letivo da licenciatura de Arte Multimédia da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, estudos posteriores aos que exerceu em Portimão, no curso de Artes Visuais da Escola Secundária Poeta António Aleixo.
O projeto apresentado na EMARP (Empresa Municipal de Águas e Resíduos de Portimão) é o resultado de um período de tempo, preenchido por um espaço, o qual abrangeu no seu todo água e as suas múltiplas formas naturais e expressivas; e expôs sensações, emoções e reações humanas, in e pós relações. O projeto Drenagem foi patente ao público pela primeira vez na Galeria XXI, em Portimão, prosseguindo para o café Onda de Chocolate, na mesma cidade, onde a jovem viveu consecutivamente ao longo de quinze anos. Traduz, através de imagens, o reflexo da experiência quotidiana pessoal numa simbiose entre textura e cor, fundidas com o corpo inacabado per si, que, sequencialmente, resultam intimamente num padrão conceito de beleza subjetivo, tocando levemente o limiar do sinistro, e, consequentemente, aparentando uma estranheza irregular reflexa do modus operandi do eu.