Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

ENCONTRO DE HISTÓRIA TURRES VETERAS ABORDA ESTE ANO “DEMOCRACIA E CIDADANIA”

descarregar (4).jpg

“Democracia e Cidadania” é, propiciamente, o tema da edição deste ano do encontro de História Turres Veteras.

Integrado no programa comemorativo do 50.º aniversário da “Revolução dos Cravos” promovido pelo Município de Torres Vedras, o XXVI Turres Veteras realizar-se-á entre os próximos dias 9 e 11 de maio.

O auditório do Edifício dos Paços do Concelho de Torres Vedras é o ponto central do evento, local onde se apresentam as comunicações no âmbito do mesmo, sendo que as da sua edição deste ano, embora abordem o tema “Democracia e Cidadania” de forma transversal, incidirão especialmente na temática da transição democrática em Portugal. Também no auditório do Edifício dos Paços do Concelho de Torres Vedras terá lugar a exibição do documentário Presos à Liberdade, a qual será seguida da realização de um debate. Ainda no âmbito do programa da 26.ª edição do Turres Veteras está previsto a apresentação de uma performance, por Ana Caetano, denominada DESENHO. MÚSICA. CORPO. (também no Edifício dos Paços do Concelho de Torres Vedras, mais concretamente na sala 3 da Paços - Galeria Municipal de Torres Vedras), e a realização de um percurso pedonal em torno de lugares de Torres Vedras relacionados com a temática da resistência.

A propósito do tema da edição deste ano do Turres Vedras, o membro da comissão organizadora do evento, Carlos Guardado da Silva, refere o seguinte: "Na cidade, desde tempos antigos, forjou-se a semente da Cidadania, permitindo a cada um ter voz e ter vez. Ali também nasceu um dia da noite e do silêncio a Democracia… e fez-se de um caldo de Liberdade e Igualdade a construção de um “Nós”, derrubando ditaduras, quando os homens eram presos e os espíritos torturados e as ideias perseguidas e emigrava-se para o fundo do Futuro. Mas houve alguém que disse ‘Não’, porque fez-se ouvir de novo a voz de um povo, que gritava por um Abril já feito ou ainda e sempre por fazer".

Recorde-se que o Turres Veteras constitui-se como um encontro nacional de História de referência, organizado anualmente e focado num tema, o qual é pertinente para o estudo da identidade e da memória do concelho de Torres Vedras e da região Oeste, e, também, para o da própria História de Portugal e do Mundo.

É um encontro organizado pelo Município de Torres Vedras e pelo Centro de Estudos Clássicos da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, com a parceria do Centro de Formação de Escolas de Torres Vedras e Lourinhã.

As inscrições para a participação na edição deste ano do Turres Veteras, as quais estão limitadas a 77 participantes, estão abertas e podem ser efetuadas no site da Câmara Municipal de Torres Vedras (na área de Agenda do mesmo).

Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail: museu.rececao@cm-tvedras.pt; ou pelos números de telefone: 261 310 455 / 485.

 

PROGRAMA

 

 

9 de maio

Local: Auditório do Edifício dos Paços do Concelho de Torres Vedras

21h00 | Exibição do documentário Presos à Liberdade

Sinopse: Durante 48 anos, instalou-se em Portugal um regime totalitário, sedimentado na censura e na polícia política. Milhares de homens e mulheres resistiram na luta pela mudança de regime, de governo, do país. Porque eram da oposição, foram perseguidos, obrigados a viver na clandestinidade, presos e torturados pela PIDE. A sua voz ouviu-se na Revolução de Abril, gritando pela Liberdade. Em abril de 2015, voltámos a ouvir as suas vozes, no Convento de Nossa Senhora da Graça, em Torres Vedras, onde outrora se situava um posto da Guarda Nacional Republicana. Lugar de memórias, de onde muitos partiram presos… para serem entregues à PIDE.

Produção: Câmara Municipal de Torres Vedras, 2015
Realização: Modular Studio
Coordenação do projeto: Pedro Fortunato e Carlos Guardado da Silva
Entrevistados: Duarte Nuno Pinto, João Martins, Firmino Rosa Santos, Herculano Neto da Silva
Investigação e entrevistas: Carlos Guardado da Silva e Venerando Aspra de Matos
Direção de Produção: Samuel Avelar
Imagem, cenografia e iluminação: Filipe Neto
Edição: João Dias
Direção de Arte: João Faustino e Samuel Avelar
Pós-produção: João Dias, João Faustino, Hugo Baptista Gomes
Música: Pedro Fortunato

22h00 | Debate

Moderação: Célia Reis (historiadora)
Convidados: Susana Martins (historiadora)
Carlos Guardado da Silva (coordenação do projeto, investigação e entrevistas)
Venerando Aspra de Matos (investigação e entrevistas)

 

 

10 de maio

 

Local: Auditório do Edifício dos Paços do Concelho de Torres Vedras

13h30 | Receção aos participantes

14h15 | Cerimónia de Abertura

14h30 | O 25 de Abril e a revolução dos cravos, uma história social | Raquel Varela (Secção Autónoma em Educação e Formação Geral e CLK, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa)

15h00 | O 25 de Abril através do Cinema | Mariana Liz (Centro de Estudos Comparatistas, Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa)

15h30 | Daqui, posto de comando: o arquivo como instrumento de democracia | Pedro Félix (Arquivo Nacional do Som)

16h00 | Debate

16h30 | Pausa para café

17h00 | Democracia e populismo na Atenas do Século V a.C.? | Sofia Frade (Centro de Estudos Clássicos, Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa)

17h30 | Senatus, coloniae, municipia: pedidos, concessões e recusas nos Annales de Tácito | Maria Cristina Pimentel (Centro de Estudos Clássicos, Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa)

18h00 | As Cortes de Torres Vedras e Torres Vedras em Corte | Maria Helena Cruz Coelho (Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra & Academia Portuguesa da História)

18h30 | Debate

 

Local: Sala 3 da Paços - Galeria Municipal de Torres Vedras

19h00 | Performance DESENHO. MÚSICA. CORPO.

Sinopse: O desenho surge como prática performativa e, assim, resposta à sonoridade da música e ao silêncio. O desenho é a extensão de uma dança de braços, ombros, coluna, de todo o corpo de Ana Caetano, em que cada movimento deixa um rastro na folha. Assume-se como um registo concreto de uma ação improvisada. Ana Caetano estará posicionada em frente a uma folha de papel e irá reagir e responder, com riscadores nas duas mãos em simultâneo, às vibrações da música de improviso tocada por Helena Espvall, criando um desenho que passa a fazer parte da exposição.

 

 

11 de maio


Local: Largo de São Pedro, Torres Vedras

9h30 | Percurso pedonal “Nas tuas mãos começa a Liberdade…” 

Percurso pedonal em torno de lugares de resistência em Torres Vedras.

Com: Francisco Manuel Fernandes / Venerando Aspra de Matos

Duração: 60 minutos

 

Local: Auditório do Edifício dos Paços do Concelho de Torres Vedras

11h00 | Escrita, Poder e Memória: os registos dos tabeliães torrienses | Ana Pereira Ferreira (CIDEHUS, Universidade de Évora)

11h30 | Os caminhos da emancipação política feminina: Olympe de Gouges, Declaração dos Direitos da Mulher e da Cidadã (1791) e Protofeminismo | Camila Franco Henriques (Faculdade de Direito, Universidade de Lisboa)

12h00 | Debate

15h00 | O exílio português no Magreb:1961-1974 | Susana Martins (Instituto de História Contemporânea, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa & Escola Superior de Educação de Lisboa)

15h30 | A Correspondência Política de Manuel Tito de Morais e Francisco Ramos da Costa: memórias da oposição clandestina ao Estado Novo | Luís Gonçalo Rodrigues (Centro de Estudos Clássicos, Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa)

16h00 | João Pereira Martins: o intelectual e a revolução | João Moreira (CHAM-Centro de Humanidades, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa)

16h30 | A justiça política sobre os agentes da PIDE/DGS na transição para a Democracia em Portugal | Irene Flunser Pimentel (Instituto de História Contemporânea, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa)

17h00 | Debate

17h30 | Cerimónia de Encerramento

18h00 | Torres Vedras de Honra

 

Nota: O XXVI Turres Veteras é uma ação acreditada pelo CCPFC, através do Centro de Formação de Escolas de Torres Vedras e Lourinhã, para os grupos de recrutamento 100, 110, 200, 210, 220, 240, 250, 290, 300, 400, 410, 420, 430, 600, 610, 910, 920, 930 (Curso de 12 horas).