Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Estreia "A Última Noite" - Teatro Sem Dono | 9 de abril - Centro Cultural de Poceirão

 

“A Última Noite”

Teatro Sem Dono estreia espetáculo sobre o 25 de Abril com atores seniores

 

Foto_Última%20Noite.jpg

 

No dia 9 de abril, às 21h30, o Teatro Sem Dono sobe ao palco do Centro Cultural de Poceirão, com a estreia de “A Última Noite”. O espetáculo, que estará em itinerância pelo concelho ao longo do mês, no âmbito das comemorações do 25 de Abril, resulta da formação Teatro Com Idade, realizada em 2015, e conta com a participação do Grupo Coral 1.º de Maio do Bairro Alentejano.

O texto, de Nelson Fernandes, leva-nos numa viagem até à noite de 24 de Abril de 1974, em que uma família de operários, à mesa, se atreve a discutir a situação do país. A última noite de cochichos, medos e opressões…

A organização é da Câmara Municipal de Palmela com o Teatro Sem Dono. Entrada gratuita.

 

09 Abril | 21h30 - Centro Cultural de Poceirão

16 Abril | 21h30 - Sociedade Instrução Musical – Quinta do Anjo

22 Abril | 21h30 - Centro Comunitário Águas de Moura

23 Abril | 21h30 - Auditório Municipal Pinhal Novo

30 Abril | 21h30 - Sociedade Recreativa e Cultural do Povo de Bairro Alentejano

 

Ficha técnica e artística:

 

Encenação : Carla Castro

Texto: Nelson Fernandes

Interpretação: Ezequiel de Jesus, Felisbela Rilhó, Filipe Silva, Iodália Franco, Maria Silva, Célia Ramos

Desenho de Luz | Sonoplastia: Nelson Fernandes, Gabriel Martinho

Exercício final da formação Teatro com Idade

Participação do Grupo Coral 1.º de Maio do Bairro Alentejano

 

«… É a Última Noite de cochichos, medos e opressões. O fim de lutas secretas e de fugas durante a noite. O fim de choros das mães ao verem os seus filhos partirem ou nem sequer chegar a vê-los partir. São dados como desaparecidos, e sabendo as pobres mães que teriam ido no barquinho sem destino. Mas um novo movimento se levanta, se constrói e se prepara para devolver ao povo a alegria de viver. Em ter orgulho (e não por medo) de ser Português. É um novo Começo, é uma nova Liberdade, é uma nova Esperança!»