Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

exposição de António Bolota | Projecto Travessa da Ermida

A exposição individual sem título (2020), de António Bolota, é apresentada pelo Projecto Travessa da Ermida, com inauguração agendada para o dia 23 de Janeiro, pelas 18:30h, e patente até 25 de Fevereiro.

O trabalho escultórico de António Bolota implica matéria no espaço e a relação estabelecida com o observador, recorrendo aos fundamentos de imobilidade e movimento, eternidade e efemeridade, equilíbrio e instabilidade, regularidade e excentricidade, solidez e leveza, luz e sombra, tensão e esbelteza. A sua intervenção material no espaço expositivo observa a transformação, ou uma nova determinação, desse mesmo espaço, i.e. uma manipulação intencional do espaço vazio formalizada pela presença dos volumes escultóricos que, por conseguinte, transfere e acrescenta o espaço expositivo ao conjunto de matérias de trabalho do artista e constituintes da obra não obstante o paradoxo da imaterialidade daquele, o qual, por sua vez, em tal vazio, acolhe o observador na obra integrada, que nela se introduz e embrenha em relação sensorial, corporal e emocional com as suas dicotomias escultóricas. Nestes jogos entre opostos activados pelo trabalho de António Bolota, a estas relações acresce a provocação conceptual da ilusão de unidade, de síntese que, a um mesmo tempo, sugere destino e origem, compressão e expansão, o limitado e ilimitado, o finito e infinito.

António Bolota imagem para PR.JPEG

Nota biográfica de ANTÓNIO BOLOTA
António Bolota começou a expor em meados dos anos 90, trazendo para o universo artístico saberes oriundos da Engenharia, área onde radica a sua formação. Um conjunto de conhecimentos técnicos são convocados na criação de esculturas que se confrontam com o espaço para onde são construídos ou que se fundem com a própria arquitetura. Em 2008 concluiu o Curso Avançado no Ar.Co – Centro de Arte e Comunicação Visual. Mora e trabalha em Lisboa.
Uma seleção das suas exposições individuais de António Bolota inclui galerias e espaços como: Galeria Vera Cortês, Lisboa (2016), Appleton Square, Lisboa (2016), Galeria Quadrado Azul, Lisboa e Porto (2014/2012/2010) e Pavilhão Branco, Lisboa (2010); Fórum Eugénio de Almeida, Évora (2016) e Ermida de Guadalupe, Vila do Bispo (2010).
Das exposições coletivas em que participou destacam-se: Escala 1:1. 21 artistas contemporáneos portugueses, Tabacalera, Madrid (2018), Cosmic, Sonic, Animistic, CIAJG Centro Internacional das Artes José de Guimarães (2017), Sala dos Gessos, Museu da Electricidade (2016), Canal Caveira, Cordoaria Nacional (2015), Ar Sólido (2015) e António Filipe, Parkour (2013), Lisboa; LandArt, Cascais (2014), Como Proteger-se do Tigre, 16ª Bienal de Cerveira, Vila Nova de Cerveira (2011), Estados Gerais, Artecontempo (2009) e Telhado, Interpress (2006), Lisboa. Em 2009 foi nomeado para o Prémio edp Novos Artistas.

Sobre o PROJECTO TRAVESSA DA ERMIDA
O Projecto Travessa da Ermida é um projecto de referência de natureza experimental orientado pela valorização do património histórico e pela dinamização do tecido artístico e cultural contemporâneos. Neste singular ponto de encontro, de intimidade e de dinamismo, as memórias do passado dialogam com variados domínios das artes contemporâneas, visando a sua penetração nos diversos públicos que o visitam e frequentam.
Com curadoria própria e/ou envolvimento em parcerias com outras estruturas de criação e programação artística, a actividade do Projecto Travessa da Ermida conta com a assinatura dos mais proeminentes artistas e autores nacionais, artistas nacionais das novas gerações e variados artistas internacionais.
Após longos anos de abandono, a Ermida de N. Srª. da Conceição, na Travessa do Marta Pinto, em Belém, assume-se desde 2008 enquanto âncora do projecto.

Horário de Funcionamento
3ªfeira a sábado, das 14h00 às 18h00. Encerrado domingo, segunda-feira e feriados.

Localização:
Travessa do Marta Pinto, 21, 1300-390 Lisboa