Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Exposição do Não-Dizível de Rute Rosas na Cooperativa Árvore até 29 Outubro

 

 

image002.jpg

A escultora Rute Rosas está a apresentar a Exposição “Do Não-Dizível” na Cooperativa Árvore até 29 de Outubro.

A Exposição remete para essa dimensão dos limites da linguagem, ou impostos à linguagem. As peças vão-se sucedendo sob essa caução de “não dizer”, não permitir que o significado toque a nomeação própria das palavras. Antes se esboça um fio de sugestões visuais e sensoriais ou temas cristalizados figurativamente como imagens quase literais, mas de uma literalidade muda. O que se vê, vê-se com a clareza de formas reconhecíveis e recortadas pela experiência comum, mas a chave do seu significado permanece na esfera do indizível (…) - Paulo Freire de Almeida.

 

“O conjunto de obras escultóricas caracteriza-se pela revisitação de técnicas e saberes da nossa cultura e tradições e dos quais tenho conhecimento prático. Numa conjugação entre o saber pensar com o saber fazer e pela transgressão e reformulações poéticas na prática da Escultura Contemporânea, pretendo mostrar possibilidades de cruzamentos entre os saberes populares e os denominados “new media”. Do vidro soprado e por fusão, à fundição através de técnicas distintas e em diversos materiais; da cerâmica, às técnicas de impressão, das madeiras, de técnicas e materiais do universo do têxtil, a ferramentas audiovisuais e meios de expressão como o áudio e o vídeo, esta exposição apresentará cerca de quinze obras com propostas formais, dispositivos expositivos, estruturas compositivas e dimensões diversas. A estrutura conceptual da exposição centra-se em conceitos, como: o dizível, indizível e não-dizível como proposições éticas em Ludwig Wittgenstein (1889-1951) e Jacques Lacan (1901-1981); o corpo utópico e subjectivação, a identidade e a arqueologia do saber, a palavra e o discurso, em Michel Foulcault (1926-1984), da Autocensura como agente poético nas artes plásticas e em obras e percursos centrados no Self, ou no Si da Autorrepresentação e da Autobiografia como forma de alcançar e chegar aos outros.” – Rute Rosas