Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Exposição "Jardins de Kyoto" - Gonçalo San Roman, Galeria de Arte de Cascais

Cartaz%20Jardins%20de%20Kyoto.jpg

 

Gonçalo San Roman inaugura a 29 de Outubro, Sábado pelas 17h a exposição individual  “Jardins de Kyoto”. A mostra reúne cerca de 30 trabalhos do artista e estará patente de 29 de Outubro a 9 de Dezembro, de 2ª a 6ª, na Galeria de Arte de Cascais.

Entrada Livre

 

HORÁRIO

Segunda a Sexta | 9h às 17h

 

Largo Cidade de Vitória nº1, Cascais

  

http://www.goncalosanroman.com

 

"No Japão, como noutras culturas do continente asiático, o espaço idealizado sob a forma de jardim reveste-se de particular significado poético e religioso, construindo-se lugares onde se inscrevem formas de espacialização que traduzem um entendimento do mundo.”

 

Este foi o mote de uma viagem realizada em 2003 ao Japão,  na qual tive o privilégio de participar

Alguns anos mais tarde, ainda preenchido por esta experiência e dando continuidade à viagem desde o lugar da reflexão, realizei um ensaio/exercício que foi nele mesmo um interessante desafio, de resultados inesperados.

 

Tendo como premissa as quatro estações do ano (Shiki ou Kisetsu) no Japão, Haru (Primavera), Natsu (Verão), Aki (Outono) e Fuyu (Inverno), caracterizadas não só pelas suas metamorfoses paisagísticas e seus câmbios cromáticos que lhe dão tonalidade, mas também pelos variados e distintos festivais ou momentos de vivencia e convivência nos parques públicos. Eventos e festivais sazonais como “Hanami” um ritual para contemplar as flores de cerejeira (sakurás), “Sazanka Tsuyu”, que significa “estação chuvosa das Camélias”, por ser nessa época que ocorre o desabrochar dessa flor, “Koyo”, as folhas coloridas do Outono, com seus variados tons amarelos, laranjas e avermelhados, são pretexto para a partilha, a contemplação, a meditação e a comunhão com a natureza, tão próprias da cultura nipónica.

 

A partir desta reflexão sobre tão variados acontecimentos tratei de, uma forma pictórica e abstracta, explorar as sensações que me despertam estes fenómenos naturais, mais do que simplesmente representar a sua realidade figurativa. 

Desta forma e recorrendo a uma (muito) estreita mas sólida paleta de cores, nasce este conjunto de cerca de 30 trabalhos de pintura a guache sobre papel “Fabriano” (50x35) que constituem esta exposição e que procuram nessa natureza imaginada, as cores, a luz, os sons e os cheiros que se relembram como intensos."

Gonçalo San Roman

 

 

Sobre o artista:

 

Gonçalo San Roman nasceu em Lisboa em 1978, cidade em que vive e trabalha actualmente.

 

Entre 2011 e 2014 frequentou o Curso Completo de Pintura e de Desenho no Ar.Co - Centro de Arte e Comunicação Visual. Realiza uma residência artística em Buenos Aires - Argentina (2014-2015).

 

Até 2011 leva um percurso autodidacta (dado possuir uma licenciatura em Medicina Veterinária) complementado por cursos de Pintura e Desenho no Arco, Workshops variados e a cadeira de artes visuais realizada durante os estudos no Colégio São João de Brito.

 

Os seus trabalhos de pintura, desenho e mais recentemente escultura e fotografia, tomam uma direcção criativa maioritariamente figurativa, mas também com ensaios variados no campo abstracto, revelaram-se em exposições colectivas, open studios e actividades de carácter cultural em que participou, com especial destaque para a sua mais recente exposição individual “Psicologia das cores” (Janeiro 2016).

 

O seu trabalho encontra-se representado em variadas colecções publicas e privadas.