Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Exposição mostra clássicos do século passado estacionados na Maia

Até 15 de setembro há uma exposição a não perder para os amantes dos carros clássicos a decorrer na Maia. Alvis, Bugatti, Fiat, Ford, MG e Talbot são algumas das estrelas que marcam a primeira metade do século XX, antes da II Guerra Mundial, que estão estacionadas no piso 0 do centro comercial Mira Maia Shopping.

Da primeira década poderá encontrar o Talbot 4AB (1910), com um motor de 4 cilindros, carburador único e ignição por magneto. Alcançou a imortalidade em Brooklands, em fevereiro de 1913, quando um Talbot 25hp aerodinâmico, conduzido por Percy Lambert, se tornou o primeiro automóvel do mundo a percorrer 100 milhas numa hora. 

Há um Ford T (1917), um automóvel clássico concebido e desenvolvido por Henry Ford, que criou uma rutura na indústria automóvel, sendo o primeiro a fabricar automóveis numa linha de montagem. Este modelo é uma peça de coleção para os entusiastas de automóveis. Algumas das características que tornam o Ford T único em alguns modelos são os muitos pormenores em cobre e em madeira, como as rodas cujos raios de artilharia são em madeira. Ainda na família Ford, há também em exposição  um Ford T Speedster (1915) que competiu em diversas provas internacionais.

Da segunda década pode ser admirado o Fiat 521 (1929), um automóvel de passageiros produzido pela Fiat entre 1928 e 1931, que colocou a Fiat no caminho para o seu subsequente estatuto de multinacional. Mais de 33.000 Fiat 521 foram produzidos em Itália e na Alemanha.

Da terceira década estão presentes o MG M-type (1930), que levou a MG a um novo patamar. Este automóvel desportivo de duas portas utilizava uma versão atualizada do motor de quatro cilindros com árvore de cames à cabeça, acionado por engrenagem cónica, com um único carburador SU que debitava 20 cv (15 kW) às 4000 rpm. A tração era feita para as rodas traseiras através de uma caixa de três velocidades não sincronizada.

Há o famoso Bugatti Type 35 (1930) que alcançou mais de duas mil vitórias em competição para a marca de Molsheim. A elegância do 35 estava na forma como a silhueta do capot fluía da grelha do radiador em forma de ferradura, estendendo-se até uma extremidade traseira cónica onde se encontrava o depósito de combustível. O design do Type 35 tinha muitos pormenores excecionais, mas discretos, como as jantes em alumínio - uma novidade absoluta na altura. Um pormenor mais subtil era o seu eixo dianteiro de uma só peça. Sendo oco no centro e sólido nas extremidades, o design do eixo exigia toda a arte e tecnologia que a fundição podia reunir. 

O Riley Sprite (1937) é outro protagonista. Produzido pela Riley Motors de 1935 a 1938, foi construído maioritariamente com motores de 4 cilindros. O seu sucesso nas corridas (especialmente sob a forma do modelo Riley T.T. Sprite) levou à adoção de "Sprite" como designação para o modelo desportivo topo de gama da gama de carros de turismo Riley Kestrel da época. O exemplar exposto tem participado em diversas provas.

Por fim, há um Alvis 4.3 Vanden Plas (1939), um dos três veículos produzidos antes da II Guerra Mundial, com carroçaria de berlina de ponta. Todos os três estão ativos. Este carro estava destinado a ser o Show Car de 1940, mas depois do início da guerra foi enviado para Lisboa e vendido a Fernando Espírito Santo Moniz Galvão, em 11 de outubro de 1939. Tem um motor de seis cilindros em linha de 4.387 cc, com uma potência de 31,48 cv e produz 137 cv, logo às 3.600 rpm, o que lhe confere uma aceleração impressionante e uma velocidade máxima de três dígitos.