Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Exposição "Vivências quotidianas do Convento de Cristo após a extinção da Ordem, através da cultura material e documental"

Cartaz_ExpoS.JPG

Exposição Vivências quotidianas do Convento de Cristo após a extinção da Ordem, através da cultura material e documental

Museu de Cerâmica de Sacavém, 23 de março a 31 de outubro

 

A exposição Vivências quotidianas do Convento de Cristo após a extinção da Ordem, através da Cultura Material e Documental  inaugura no próximo dia 23 de março, às 15:30, no Museu de Cerâmica de Sacavém. Fica patente até 31 de outubro de 2019.

 

Neste projeto, que resulta de uma parceria entre a Direção-Geral do Património Cultural/Forte de Sacavém e a Câmara Municipal de Loures, procurou-se colocar em diálogo o fragmento arqueológico, testemunho de vivências quotidianas, e o objeto industrial, que surge ligado ao advento das indústrias cerâmicas nacionais.

 

Partiu-se de um acervo arqueológico recolhido na nitreira do Convento de Cristo, datado de meados do séc. XIX e até meados do séc. XX, que documenta o quotidiano da família Costa Cabral, habitante de parte do edifício durante cerca de 100 anos, e do Seminário das Missões Ultramarinas, que ocupou o Convento durante 70 anos. O acervo é constituído por materiais em cerâmica, osso, vidro e metais.

 

A cerâmica recolhida é a que surge com maior representatividade. Assim, apresenta-se um conjunto de faianças e porcelanas provenientes de fábricas nacionais e estrangeiras, entre as quais se destacam a Fábrica de Loiça de Sacavém para as faianças, e a Vista Alegre para as porcelanas.

 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.