Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Fado ao Centro - Álbum "SIM" é editado hoje dia 25 de Maio

 

 

 

Alinhamento:

01 – Penélope

02 – Teus olhos têm uma cor
03 – Maria
04 – Lamento
05 – Adeus
06 – Enigma
07 – Sim
08 – Não sei
09 – Fuga
10 – Em todas as ruas te encontro
11 – Fado de Inês
12 – Súplica
13 – Sentes que um tempo acabou
14 – Luz

ff6e74ff-5d6d-40ca-88c0-c87c8ad426c7.jpg

 

Apresentação do disco " Sim"
15 Junho |  Antiga Igreja do Convento de São Francisco 
Coimbra

 

"SIM" foi a Pessoa – por intermédio de Ricardo Reis – que João Farinha pediu emprestado o título para o primeiro álbum em nome próprio, mas criado no "seu" Fado ao Centro. "Sim" percorre os novos caminhos para o fado de Coimbra que o cantor e compositor ensaia há tantos anos quantos os que vive rendido à canção que ama: com novos instrumentos, novas abordagens e novas sonoridades, para cantar as palavras dos poetas, com o amor sempre em pano de fundo, também as mágoas, a saudade e a força que só se encontra num chão semeado de amigos e partilha.

Mas se o caminho é novo, a alma de Coimbra lá está, inteira, "Sim". E também uma magia que é sua e enreda, encanta, como as águas do Mondego e o amor maior, o de Inês, ditos, todos, nas palavras de Pessoa e de Antero, a que se juntam, numa roda de poetas maiores da língua portuguesa, David Mourão Ferreira, Florbela Espanca, Eugénio de Andrade, Mário Cesariny, Ary dos Santos, Miguel Torga.
E também Luís Santos, José Rebola, António Vicente. Todos convocados por João Farinha para este disco que é, para o artista, aqui, a um tempo, cantor, compositor e poeta, a grande aventura a culminar 20 anos de fado de Coimbra, numa dádiva à arte e ao público a integrar originais talhados para serem os próximos clássicos.

"Sim", a proposta artística de um músico em nome próprio – que é uma afirmação incondicional da nobreza e da maioridade de um fado, o de Coimbra, a trilhar caminhos novos e destinado aos palcos do mundo –, aí está para ser amado e partilhado por todos os que não resistem ao som único e à beleza ímpar da canção que nasceu para falar de amor e de saudade, mas também de resistência e de um tempo ainda a haver.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.