Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

FAHRENHEIT 451


a partir do romance de ficção-científica de Ray Bradbury
terceiro espetáculo da Trilogia Norte-Americana
com direção artística de Pedro Alves
produção teatromosca

22, 23 e 24 de setembro, às 21h
no Teatro do Bairro [R. Luz Soriano 63, 1200 Lisboa]


"Um dos mais interessantes, honestos e originais grupos de teatro portugueses."
in EXPRESSO

8afae130-0d88-4bc5-8b2c-d7d3410048a7.jpg

 

Marco da literatura de ficção científica, o romance distópico de Ray Bradbury passa-se numa cidade não especificada, numa data não determinada (após 1960), e é considerado um dos seus melhores textos. É com a adaptação deste romance - e em estreita relação com a adaptação cinematográfica que François Truffaut realizou em 1966 - que o teatromosca encerra a trilogia dedicada à literatura narrativa norte-americana, iniciada em 2013 com a adaptação de «Moby-Dick», de Herman Melville, e que teve em «O Som e a Fúria», adaptado do romance de William Faulkner, o seu segundo andamento.
 
O terceiro espetáculo desta Trilogia Norte-Americana, com direção artística de Pedro Alves, estreou no Théâtre de la Tête Noire, em Saran (França), no dia 19 de novembro, em coprodução com esta estrutura teatral francesa com quem o teatromosca estabeleceu um protocolo de cooperação internacional designado «Ferry-Book». O espetáculo foi ainda apresentado no Cacém, em Oeiras, Coimbra, Cascais, Portalegre e Funchal.

FAHRENHEIT 451
Montag é bombeiro e em breve será capitão. Montag é um homem realizado. Montag tem um bom emprego. Montag tem uma família feliz. Montag tem uma casa confortável. Mas tudo isto é feito de papelão e tudo arderá tão depressa como o Livro de Jonas, as obras de Platão, os sonetos de Shakespeare, os poemas de Milton, os textos de Homero, o «Moby-Dick» de Melville… Montag será fogo, primeiro a consumir para destruir livros e preservar a paz social, depois a consumir tudo para preservar a memória e um legado literário ameaçado. Como a jovem Clarisse será ignição e Mildred será combustível, Montag será o fogo destruidor de uma civilização já em processo de demolição – uma ruína escondida atrás de máscaras e maquilhagem. Montag é um bombeiro contratado para destruir pelo fogo todos os bens daqueles que se atrevem a ler livros, daqueles que desrespeitam a Lei. Numa sociedade higienizada, em que as famílias são personagens em telas interativas, Montag atrever-se-á a ser leitor, a pensar, a questionar, a ser livro. Será perseguido…
 

FICHA ARTÍSTICA E TÉCNICA
Texto|Ray Bradbury Adaptação e direção artística|Pedro Alves Tradução (para francês)| Thomas Resendes Interpretação|Filipe Araújo e Rute Lizardo Colaboração artística|Patrice Douchet (Théâtre de la Tête Noire) Criação musical e sonoplastia|Bruno Béu Assistência de direção|Maria Carneiro, Inês Oliveira e Mário Trigo Cenografia|Pedro Silva Design gráfico|Alex Gozblau Direcção técnica e desenho de luz|Carlos Arroja Vídeo|Ricardo Reis Fotografia|Catarina Lobo Operação de luz e apoio à montagem|Pedro Moreira Produção executiva e assessoria de imprensa|Maria Carneiro Produção|teatromosca Coprodução|Embaixada dos EUA, Arte Institute (NY), Festival AMO-Teatro e Théâtre de la Tête Noire (Orléans) Financiamento|Governo de Portugal - Ministério da Cultura / Direção-Geral das Artes Apoios|Câmara Municipal de Sintra, 5àSEC e Junta de Freguesia de Agualva - Mira Sintra

 
BILHETES
10 € (preço normal)
5 € (preço reduzido)