Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

"Fazer de casa labirinto" para discutir e discernir a pandemia | 25.07.2020 | Balcony

Exposição Fazer de casa labirinto para discutir e discernir a pandemia

 

Sara Mealha_E Agora_2020_002.jpg

 

Carla Cabanas

Fernão Cruz

Gisela Casimiro

Henrique Pavão

Horácio Frutuoso

Mané Pacheco

Nuno Nunes-Ferreira

Sara Mealha

Susana Mendes Silva

 

Inauguração: 25 de julho, sábado, 14h – 19h30

Patente até dia 16 de setembro

 

balcony.pt 

 

 

A galeria Balcony inaugura no dia 25 de julho, entre as 14h e as 19h30, a exposição coletiva Fazer de casa labirinto, que reflete sobre a experiência da pandemia Covid-19 e os seus impactos nas relações e na vivência do espaço, do psicológico ao urbano.

 

Fazer de casa labirinto é um projeto transdisciplinar com curadoria de Ana Cristina Cachola e Sérgio Fazenda Rodrigues, envolve nove artistas e 13 agentes culturais e, além da exposição, concretiza-se na publicação de um livro que será lançado em setembro. O projeto é promovido pela galeria Balcony e conta com o financiamento do Fundo de Emergência Social (FES) da Câmara Municipal de Lisboa.

 

Partindo da criação de objetos artísticos, textos e ilustrações autorais, o projeto analisa o modo como se pode contribuir para a produção de sentido cultural de pertença, problematizando a relação entre espaços público e privado na complexidade do urbano, procurando, paralelamente, auxiliar a subsistência e a visibilidade de artistas e agentes culturais envolvidos.

 

A exposição apresenta trabalhos inéditos, na sua maioria novas produções, desenvolvidas por artistas com diferentes percursos, formas de expressão e faixas etárias, em torno da visualidade e da experiência da pandemia Covid-19. Como enquadrado pela equipa de curadoria, a exposição “articula o modo como a arte contemporânea aborda um conjunto de modificações, pensando o espaço, do psicológico ao urbano, em tempos de pandemia e (des)confinamento, para refletir sobre a alteração de padrões de relacionamento, como o distanciamento social, as restrições de mobilidade, e as experiências individuais e coletivas”.

 

Trabalhos de pintura, fotografia, instalação e performance vão ocupar e expandir a exposição além do espaço da galeria, traçando um “labirinto” que sobrepõe experiências e abordagens sobre o corpo, a proximidade, as relações e questões associadas à memória e às esferas doméstica e laboral.

 

O livro homónimo vai documentar os processos de criação artística e curatorial, o projeto expositivo, editar reflexões sobre o impacto da pandemia no imaginário presente e na experiência da cidade, da autoria dos curadores do projeto e dos investigadores Eliana Sousa Santos e Rodrigo Ribeiro Saturnino, e ilustrações originais de Carolina Elis.

 

A exposição Fazer de casa labirinto poderá ser visitada até 16 de setembro, de terça-feira a sábado, entre as 14h e as 19h30. O programa contempla visitas guiadas pela equipa de curadoria nos dias 29 de julho, 22 e 29 de agosto, 5 e 12 de setembro, sempre com início às 15h e admissão livre, mediante marcação prévia através do e-mail: info@balcony.pt. Para visitar a galeria Balcony é obrigatório o uso de máscara e a ocupação do espaço encontra-se limitada a 10 pessoas.  

 

BALCONY CONTEMPORARY ART GALLERY

Rua Coronel Bento Roma 12A, Alvalade - Lisboa

Terça a sábado 14h – 19h30

www.balcony.pt

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.