Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Félix Mula vence prémio NOVO BANCO Photo 2016

image003 (2).jpg

 

Félix Mula é o vencedor do prémio NOVO BANCO Photo 2016 - principal prémio de arte contemporânea em Portugal de estatuto internacional, que dá a conhecer trabalhos inéditos dos mais consagrados artistas da lusofonia num evento ímpar que atribui ao vencedor o prémio no valor pecuniário de 40.000 euros.

 

O júri de premiação, com nacionalidade distinta das representadas pelos artistas selecionados, é constituído por Élise Atangana (França / Camarões), curadora e produtora; David Claerbout (Bélgica), artista; e Yves Chatap (França / Camarões), curador, editor e fundador da plataforma vusdafrique.com.

 

«Após longa deliberação, o júri tomou uma decisão difícil, mas unânime, realçando a extrema qualidade do trabalho desenvolvido por cada um dos artistas, destacando a complexidade e diversidade das três propostas apresentadas. Neste contexto, o júri pretendeu privilegiar o trabalho, cuja proposta, mais se centrasse no domínio do fotográfico, atendendo à natureza do prémio, que tem a fotografia na sua origem. A decisão de atribuir o prémio a Félix Mula foi também fundamentada no talento que se revelou através da singularidade estética do seu trabalho. O júri referiu ainda, a consciência do desconhecido que, necessariamente, recai sobre o seu trabalho futuro. No entanto, a presente proposta, permite vislumbrar um importante caminho para um relevante entendimento da prática fotográfica.»

 

A exposição, patente ao público até 2 de outubro, reúne trabalhos inéditos de Félix Mula (Moçambique), Mónica de Miranda (Angola e Portugal), Pauliana Valente Pimentel (Portugal).

 

O NOVO BANCO mantém a sua aposta de mecenato cultural na área da fotografia, dando continuidade ao formato, focado no eixo Portugal/países lusófonos africanos.

 

Sobre Félix Mula

Félix Mula nasceu em Maputo, em 1979.

Aos treze anos de idade aprende a fotografar com o seu pai, fotógrafo de estúdio. Frequenta a Escola Nacional de Artes Visuais e o Centro de Documentação e Formação Fotográfica, em Maputo, antes de ingressar na Escola Superior de Artes da Ilha da Reunião. É artista plástico e também docente, desde 2012, no Instituto Superior de Artes e Cultura, em Maputo. O seu trabalho ocorre no cruzamento da fotografia, da instalação, e das experiências vividas. Participou em múltiplas exposições e residências artísticas em Moçambique e no estrangeiro.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.