Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Filipe Silva inaugura Teatro da Memória (Futura) e é Guia de Visita na Casa da Memória de Guimarães (6 abril)

f5ca71c3c417294261032.png

Arquiteto Filipe Silva inaugura a sua reinterpretação da proposta L’Idea Del Theatro (1544) de Giulio Camillo na Casa da Memória de Guimarães

Este sábado, 6 de abril, às 17h00, a Casa da Memória de Guimarães (CDMG) inaugura a intervenção Teatro da Memória (Futura), da autoria de Filipe Silva, o qual assume também o papel de Guia de Visita deste mês neste que é um lugar de encontro da comunidade com o exterior e da comunidade consigo própria, um centro de interpretação e conhecimento que expõe, interpreta e comunica testemunhos materiais e imateriais que contribuam para um melhor conhecimento da cultura, território e história de Guimarães, das pessoas de diferentes origens e mentalidades que a fizeram e fazem, trabalhando com e para a comunidade.
 
Este sábado, é tempo do arquiteto Filipe Silva abrir o pano para estrear na Casa da Memória a sua reinterpretação da proposta de Giulio Camillo, humanista que, no século XVI, propôs uma especulação utópica ao projetar um lugar que podia albergar toda a memória, um teatro onde o espetador, desbravando-o, entraria em contato com textos e imagens sobre filosofia, literatura, ciências, religiões e arte, seguindo livremente por entre o material, numa rede inesgotável de relações, alusões e significações, como uma mnemónica do conhecimento universal. 

Teatro da Memória (Futura) é o nome da intervenção que Filipe Silva apresenta no pátio da Casa da Memória e que recriará o Teatro da Memória interpretando as ideias de Giulio de Camillo descritas em L’Idea Del Theatro, em 1544. Tendo como tema geral a “Liberdade”, espera-se que o espetador, através de um território material e imaterial presente no pátio, desenvolva as suas imagens e memórias. Objetos construídos a partir de lugares do território de Guimarães deverão ativar as suas memórias. Estes lugares fazem parte da matéria desta construção. As imagens (deste novo Teatro da Memória) surgirão a partir da leitura de cada objeto, da sua composição química e serão exclusivas de cada espetador. O seu reconhecimento remete para a leitura do território e para a descoberta de narrativas individuais e coletivas. 

Como é habitual, no primeiro sábado de cada mês, a exposição permanente da Casa da Memória muda. Ou melhor: tudo fica no mesmo lugar, mas há um novo olhar, o de cada convidado do Guia de Visita, a apontar o caminho dos visitantes. No mês em que inaugura a sua reinterpretação do utópico Teatro da Memória de Giulio Camillo, o arquiteto Filipe Silva é o cicerone de uma visita às memórias de que se faz a Casa da Memória. A entrada e participação na inauguração e na visita é gratuita e aberta a todas as idades, sendo apenas condicionada ao espaço existente.

Recorda-se que, na CDMG, é também possível realizar Visitas Orientadas e Oficinas Criativas ao longo de todo o ano, sujeitas a marcação com, pelo menos, uma semana de antecedência, através de telefone 253424700 ou e- mail mediacaocultural@aoficina.pt. A CDMG encontra-se aberta de terça a domingo, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 19h00. Aos domingos de manhã, a entrada é gratuita. A programação pode ser consultada em www.casadamemoria.pt.