Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Fixar o (In)Visível | O novo livro de Soraia Simões de Andrade

view.php.jpg

 

Foi a investigação e o envolvimento com as protagonistas que levaram a autora a reler e reouvir um conjunto de letras e de ideias transmitido nestes anos que não estavam relatadas nem no discurso público sobre este domínio das música e cultura populares nem no campo científico dedicado ao estudo deste universo cultural. Este momento inicial de afirmação do RAP nas cultura e sociedade portuguesas ficou também marcado por um conjunto de outras desigualdades, a subvalorização e a não inscrição desses assuntos relatados nos repertórios e discursos falados das primeiras rappers, como a violência com base no género e o sexismo, motivou este livro.

Por outro lado, a obra traz-nos uma abordagem nova ao rever os itinerários socioculturais dos primeiros rappers e depreendendo as suas contradições e paradoxos.

A obra mostra-nos como o RAP se transformou, na sua primeira década de afirmação, entre tensões e aspirações dos principais rostos, num período histórico marcado pelo cavaquismo, uma das práticas musicais de matriz urbana que, ironicamente, se tornou um produto daquilo que censurou: o modus operandi das indústrias musicais e de publicação e do contexto social e económico em questão.

O novo livro de Soraia Simões é lançado a 26 de Setembro no LARGO Café Estúdio; e em Coimbra a 3 de Outubro, no Café TAGV. Ambas as sessões, de uma hora, terão início às 18:00.

Apresenta a obra em Lisboa o historiador Miguel Cardina (CES/UC).
A sessão será pontuada ainda pelas intervenções do fundador do SOS Racismo José Falcão e de Dana-Dane do grupo Divine (que ao lado de Djamal representam os dois primeiros grupos de RAP compostos por mulheres a editar discograficamente em Portugal), ambos entrevistados durante o trabalho de pesquisa da autora e investigadora.

Em Coimbra a obra será apresentada pela docente e investigadora Susan De Oliveira (CIE ISCTE/IUL).
A sessão em Coimbra será pontuada por uma intervenção da rapper Muleca XIII.
 

Soraia Simões de Andrade nasceu em Coimbra (Sé Nova, 1976).
Historiadora musical, pós-Graduada em Estudos de Música Popular e Mestre em História Contemporânea pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. A história oral, a relação entre música e cultura populares com sociedade, memória e género são os universos em que têm incidido as suas investigações.
É autora das obras Passado–Presente. Uma Viagem ao Universo de Paulo de Carvalho (2012), RAPublicar – a micro-história que fez história numa Lisboa adiada: 1986 – 1996 (Editora Caleidoscópio 2017) e Fixar o (in) visível. Os primeiros passos do RAP em Portugal (Editora Caleidoscópio 2019). Mentora da Mural Sonoro, autora e realizadora do documentário A Guitarra de Coimbra (RTP2, 2019), foi distinguida com o prémio Megafone/Sociedade Portuguesa de Autores 2014.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.