Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

“Foral de Coina – 1516” | Livro de investigação histórica lançado sobre um dos principais portos do Tejo

Foral de Coina_Lancamento de livro 18FEV-18+.jpg

 

Foi este fim-de-semana lançado o livro “Foral de Coina – 1516”, da autoria de José Manuel Vargas. Trata-se de uma obra de investigação histórica lançada no âmbito das comemorações do quinto centenário da atribuição do Foral de Coina. O evento, que decorreu no sábado dia 18 de fevereiro, no Catica – Centro Comunitário de Coina,com sala cheia, facto que Vereadora da Câmara Municipal do Barreiro (CMB) responsável pelo Património Histórico, Arquivo, Cultura e Associativismo reconheceu ser “muito gratificante”, inseriu-se num conjunto de atividades realizadas ao longo do último ano, que culminarão com a reposição do Pelourinho de Coina (réplica).

 

Esta obra, com 170 páginas (incluindo anexos com imagens do Foral) e uma tiragem de 500 exemplares, encontra-se disponível, por 7,5€, no Espaço Memória, no Posto de Turismo, na Biblioteca Municipal do Barreiro e nas instalações da União das Freguesias de Palhais e Coina.

“Este livro apresenta, de uma forma que se pretende acessível, a todos os públicos, as origens do Foral de Coina e as características ímpares deste Foral, quando o comparamos com outras povoações da margem sul do Tejo”, sublinhou a Vereadora Regina Janeiro.

 

O desenvolvimento deste trabalho “resulta de um interesse antigo que tenho sobre esta localidade”, que veio na sequência do estudo de um concelho vizinho, explicou José Manuel Vargas. Divulgar o Foral, que considerou “único” e “contextualizar localmente o Foral na História de Coina – antes e ao tempo”, foram os seus dois objetivos na elaboração deste trabalho, cuja 2ª parte contém a transcrição do Foral em duas versões – uma, próxima do original e a outra mais próxima do atual. Nas últimas páginas há, ainda, um glossário.

 

Entre os vários agradecimentos, a Presidente da União das Freguesias de Palhais e Coina, Naciolinda Silvestre, dirigiu uma palavra ao autor do livro “pelo contributo que nos deu, porque sem ele não seria possível fazer o lançamento deste documento histórico que a Vila de Coina vai ter”.

 

É “indispensável rodearmo-nos dos saberes que não temos” (…) “para ultrapassarmos as dificuldades mas, também, para afirmarmos o que somos e o que queremos no futuro”, referiu o Presidente da CMB.

A importância estratégica do Porto de Coina foi transversal aos vários discursos da tarde. Carlos Humberto de Carvalho da atualidade estratégica de Coina, como grande interface de mobilidade – ferrovia e rodovia – e a sua importância do ponto de vista empresarial, logístico e comercial. E fez a “ponte” entre a Coina dos anos Quinhentos, com um grande porto de ligação entre o norte e o sul do País, facto que dinamizou a sociedade de então, e a instalação, na atualidade, da Plataforma Multimodal do Barreiro/terminal de Contentores.

 

Ao longo do ano 2016 realizaram-se diversas iniciativas que assinalaram o Aniversário. A Apresentação Pública das Comemorações foi efetuada à Comunidade Educativa na Escola Básica de Coina, e à população e Movimento Associativo na URCD - União Recreativa de Cultura e Desporto de Coina, foi publicado no Sítio Oficial da CMB na Internet o Livro de Posturas - leis que datam de 1780/1812 (neste link: http://www.cm-barreiro.pt/frontoffice/pages/792?news_id=5599), realizaram-se ateliês de marionetas evocativos da Efeméride e sessões sobre a História de Coina, foi editado um “Jornalinho” dedicado aos 500 anos do Foral de Coina, distribuído pelas Escolas do Concelho (http://www.cm-barreiro.pt/frontoffice/pages/792?news_id=5959), promoveram-se concertos, inseridos no Mês da Música e realizou-se a Feira Quinhentista em Coina (setembro/outurbo), que atraiu milhares de pessoas ao recinto do Mercado Mensal/Tradicional, proporcionando uma viagem no tempo ao período manuelino da História da Vila, da Região e do País, desfrutando de inúmeros atrativos e surpresas e, muitos, “vestindo a pele” de uma personagem da época.

Recorde-se que a atribuição do Foral à Vila de Coina, por D. Manuel, data de 15 de fevereiro de 1516. As Comemorações que assinalam este momento histórico, lançadas há um ano, são promovidas numa parceria entre a CMB e a União das Freguesias de Palhais e Coina.

 

Nota curricular do autor

José Manuel Vargas, 1948 – (Lisboa)

  • Licenciado em História e Mestrado (parte curricular) em Paleografia e Diplomática, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.
  • Professor de História e de História da Arte no Ensino Secundário (1980-2007).
  • Bolseiro da Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses (1996-2000) para transcrição e edição da Chancelaria de D. João II, projeto coordenado por Eduardo Borges Nunes.
  • Participação em múltiplos colóquios e congressos com comunicações sobre forais, ordens militares e temas de história medieval, regional e local.

 

Autor e co-autor de diversos estudos, entre os quais se destacam:

  • Pelas Freguesias de Lisboa. Lisboa: Câmara Municipal, 1993-2000. 5 vols.
  • Colaboração com 21 artigos, no Dicionário de História dos Descobrimentos Portugueses. (dir. Luís de Albuquerque). Lisboa: Círculo de Leitores, Caminho, 1994.
  • Foral de Alhos Vedros. Moita: Câmara Municipal, 2000. (reed. 2014).
  • Foral de Lisboa (1500). Lisboa: Grupo de Amigos de Lisboa, 2000.
  • Os Forais de Belmonte. Belmonte: Câmara Municipal, 2000.
  • Livro da Vereação de Alcochete e Aldeia Galega: 1421-1422. Alcochete: Câmara Municipal, 2005.
  • Sabonha e S. Francisco. Alcochete: Camara Municipal, 2005.
  • Aspectos da História de Alhos Vedros: Séculos XIV a XVI. Alhos Vedros: Junta da Freguesia, 2007
  • Os Forais Manuelinos do Distrito de Setúbal. In II Encontro de Estudos Locais do Distrito de Setúbal. Setúbal: Escola Superior de Educação, 2011.
  • Locais do Distrito de Setúbal. Setúbal: Escola Superior de Educação, 2011.
  • O Foral Novo: Torres Vedras, 1510. C.M. Torres Vedras, 2016.
  • Canha e os seus Forais, Junta de Freguesia de Canha (no prelo).

 

A reprodução textual da informação implica a referência da sua autoria: CMB