Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Galeria Lehmann + Silva com duas novas exposições

Artistas nacionais em destaque na galeria Lehmann + Silva

 

image004.jpg

 

“Cores em Silêncio”, de Joana da Conceição, e “Tenista Suprematista”, de Vítor Israel, são as novas exposições inauguradas no dia 13 de janeiro.

 

Dois meses depois da abertura da galeria Lehmann + Silva, há duas novas exposições que poderão ser visitadas, no espaço da Rua Duque de Terceira, perto da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Os artistas portugueses voltam a ter o protagonismo: Joana da Conceição revela “Cores em Silêncio” e Vítor Israel mostra os mais recentes trabalhos em “Tenista Suprematista”.

 

A artista, de 36 anos e natural de Santo Tirso, reúne nesta mostra oito pinturas que integram a recente série “Matéria Doméstica Exótica” (2016-2017). Um leque de obras onde a cor assume um papel de relevo, através de um jogo de transparências e onde se destaca a sobreposição de padrões de cor e camadas geométricas.

 

“Cores em Silêncio” inspira-se na “vivência quotidiana e observação minuciosa da sua envolvência, sublimando o mundano através da sua reinvenção enquanto meio de estudo”, como afirma Margarida Mendes, crítica e curadora de arte. Para ela, as pinturas de Joana da Conceição “surgem-nos como diagramas visuais que, na sua preponderante aceleração, incitam estados de inquietude cinética. Pondo em prova o ponto focal e capacidade sincrética da nossa visão, as suas pinturas dissecam o real, representando o mundo através da refração meticulosa da matéria física.”

 

De salientar que Joana da Conceição, vencedora do Prémio de Pintura Casa de Esmoriz, em 2010, e do Prémio Anteciparte, em 2005, expõe pela segunda vez na Lehmann + Silva, já que fez parte da exposição de inauguração “How to do things”.

 

Já a exposição de Vítor Israel é o mote para o arranque do novo espaço da galeria: L + S Projets, cujo objetivo é captar o intercâmbio criativo, a profundidade intelectual e a experimentação que acontece nos bastidores, e transferi-los para primeiro plano. “Aos jovens artistas e curadores, serão dadas a oportunidade e as ferramentas necessárias para operar num contexto de galeria profissional. O intuito desta iniciativa é projetar artistas e envolver curadores, potenciando a criação de uma plataforma de reflexão e debate teórico, no perímetro da galeria. Deve ser entendido como uma extensão do atelier do artista, que funciona também como um trampolim entre a prática criativa e o espaço comercial”, explica Mário Ferreira da Silva, art advisor e co-fundador da Lehmann + Silva.

 

Com estas novas exposições - patentes até ao dia 3 de março -, a galeria dá continuidade ao objetivo de projetar os trabalhos de artistas contemporâneos, quer portugueses quer estrangeiros, que se destacam em diversas áreas, como pintura, escultura, fotografia, vídeo, entre outras.

 

Sobre Lehmann + Silva:

Fundada por Frederick Lehmann e Mário Ferreira da Silva, a Lehmann + Silva surge no Porto como uma galeria focada na arte contemporânea que representa artistas portugueses e estrangeiros.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.