Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Galo Cant'Às Duas lança single "Coragem" do novo disco Água Ardente que sai dia 18 de Fevereiro

Galo Cant’Às Duas apresenta o segundo single “Coragem” do disco Água Ardente que será editado no próximo dia 18 de Fevereiro.

 

“Coragem” é uma faixa que nos fala de um constante desafio que é o impulso e a sua relação com dois pilares que nos sustentam: a verdade e a intuição. Que nos recorda da inocência que existe e irá existir para sempre dentro de cada um de nós, se assim quisermos. É desta coragem presa na confiança e na amizade que livremente se solta a crença na intuição e a procura constante pela verdade. E seguimos, nesta viagem que vamos traçando, acreditando que o amor nos unirá para sempre, pela verdade, pela intuição, pelo que for e tiver de ser, assim será. O videoclip é realizado por Rafael Farias.

 

Galo Cant’Às Duas, “Amor em Água Ardente” Vai fazer cinco anos que ouvi pela primeira vez a música do Galo Cant’Às Duas. Um mail da promotora Raquel Lains nesse início de 2017 anunciava-me o álbum de estreia do duo de Viseu formado pelo Hugo Cardoso e pelo Gonçalo Alegre, com a “Marcha dos Que Voam” a levantar o véu e a fazer instaurar a curiosidade. Dias depois, as restantes três faixas de “Os Anjos Também Cantam” confirmavam que estávamos perante um grupo que pegava no rock como terreno fértil para todas as desconstruções sónicas, sempre com uma contagiante e forte componente rítmica. Em 2018, foi para mim uma surpresa encontrá-los de novo num outro álbum de estreia: desta vez, em “Contigo”, de Pedro Branco, um duplo-álbum no qual a direcção musical de Gonçalo Alegre foi uma excelente “pedrinha na engrenagem”. A partir daí, passei a olhar para eles de forma ainda mais atenta e interessada – se casavam a sua visão do rock com o universo dos cantautores, não lhes podia mesmo passar ao lado. Quando foi publicado o segundo álbum do Galo, “Cabo da Boa Esperança”, em Janeiro de 2019, logo pensei que tinha que ser dessa vez que os levaria ao programa “Passado ao Presente”, que desde 2014 faço semanalmente na RDP Internacional. Mas com quem haveria de os juntar para uma conversa inter-geracional pertinente? Foi durante uma conversa com o meu colega e amigo Henrique Amaro, da Antena 3, que surgiu uma ideia aparentemente peregrina: porque não convidar o Necas, antigo baterista dos Ananga-Ranga e da banda Atlântida, que no início dos anos 80 acompanhava Lena d’Água? As várias linguagens abordadas pelo músico, entre o jazz e o rock, prenunciavam boas afinidades e o Gonçalo Alegre e o Hugo Cardoso “saltaram” logo para o barco. O que nenhum de nós esperava era que essa entrevista tão descontraída fosse a última de sempre do Necas, que haveria de nos deixar quatro dias depois, tornando essa emissão do programa a primeira e única até hoje a ser emitida a título póstumo. Um qualquer fio me ia unindo ao Galo Cant’às Duas, de formas mais ou menos inesperadas.

 

“Inesperado” é também a palavra adequada para referir o convite que há tempos recebi do Gonçalo Alegre e do Hugo Cardoso para escrever estas palavras de apresentação do novo “Amor em Água Ardente”. Aceitei desde logo, mesmo sem ter ideia sobre o que aí vinha. E, mais uma vez, “inesperado” é uma das palavras que pode descrever este novo álbum do duo. Não é preciso conhecer os dois discos anteriores do Galo Cant’às Duas para nos deixarmos prender pelas sinuosidades rítmicas deste terceiro trabalho, mas se partirmos desse ponto de vantagem vamos perceber que o duo está cada vez mais apaixonado pelo conceito de canção – ou por um modelo já bem próprio da mesma, que consegue ser simultaneamente experimental e popular. A música deles é como a famosa frase de Fernando Pessoa sobre a Coca-Cola - mas aqui, depois de se entranhar, não se recomenda qualquer tipo de consumo moderado. Quanto mais ouvimos estas canções mais nos deliciamos com elas e mais percebemos que o Gonçalo Alegre e o Hugo Cardoso vieram mesmo para ficar. A presença de Chullage em “Selfish Boy” é só uma das mais óbvias situações em que eles tentam mostrar-nos que não devemos tomar nada como garantido – se aí cantam que “Esta vida não me chega”, numa busca constante por algo de diferente (a tal coisa “que é linda”, como cantava José Mário Branco), estou certo que o disco vai mesmo chegar para mostrar que a música do Galo Cant’às Duas é de aqui e de agora, ainda que com ressonâncias bem destiladas de outras épocas e geografias. Eles podem brincar com o Festival da Canção em “Danças de Festival”, urdir singles de “Coragem” que mereciam edição em 7” ou mostrar que “Das Vinte às Vinte” é capaz de vir a ser uma das grandes canções pop de 2022 – mas fazem-no sempre sem que a sua música perca as boas bases instrumentais vindas dos discos anteriores. Por isso, se o mar os chama nós queremos mesmo continuar a beber os sons que deles derramam e conhecer mais e mais canções deste Galo cantor. Celebremos, pois, “Amor em Água Ardente” como um cocktail pop redentor nestes tempos algo sombrios!