Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Grupo Ageas Portugal mecenas do Festival Internacional de Música Clássica de Marvão

ageaspr.jpg

 

 

O Grupo Ageas Portugal coloca a Cultura e Artes como eixo estratégico de posicionamento de marca, aliando objetivos de notoriedade a um forte contributo para o desenvolvimento da sociedade, especificamente neste campo.

São várias as parcerias que têm sido estabelecidas nesse sentido: das quais são exemplo, o Espaço Cultura Ageas no edifício do Parque das Nações em Lisboa que acolhe talentos das artes, o “prémio Novos Talentos Ageas” na Casa da Música - que já vai na segunda edição -, ou a presença ativa em festivais de música e de artes de referência nacional como é o caso do Festival Internacional de Música Clássica de Marvão.

A quinta edição deste Festival acontece nos diferentes cenários idílicos do alto Alentejo onde se realizarão os cerca de 40 concertos durante dez dias, de 20 a 29 de julho, naquele que já é considerado o maior festival de música clássica em Portugal. 

E para além da magia do cenário envolvente de Marvão, o Festival promete ainda surpreender pelo recorde no número de interpretes portugueses e também pela presença de mais de 300 artistas provenientes de 20 nacionalidades. No dia 21 teremos um momento musical com Horácio Ferreira (Clarinete), vencedor da primeira edição do Prémio Novos Talentos Ageas.

Outro dos pontos altos deste Festival acontece no dia 23 de julho às 19h30, naquele que é o concerto Ageas, e onde o próprio Maestro e Diretor Artístico Christopher Poppen, participa como violonista. Mas o melhor mesmo é consultar o programa completo aqui: http://marvaomusic.com/programa-5o-festival-internacional-musica-marvao-2018/ para não ficar a perder nada.

Steven Braekeveldt, CEO do Grupo Ageas Portugal refere: “O apoio a este festival já faz parte do ADN da Ageas. Associamo-nos e apoiamos muitas causas e eventos nas áreas da arte, cultura e talento, mas este festival é realmente muito especial para nós. Tanto pela qualidade do seu diretor artístico, Christopher Poppen, como pela sua localização e enquadramento, mas, sobretudo, pelo significado que traz às pessoas que têm a oportunidade de participar ou assistir.”