Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

GUIdance 2017 | Que a dança nos leve aos lugares mais improváveis (02 a 11 fevereiro)

image002.jpg

 

7ª edição do GUIdance apresenta 9 espetáculos entre os quais 2 estreias absolutas e 4 estreias nacionais

 

De 02 a 11 de fevereiro, o GUIdance - Festival Internacional de Dança Contemporânea está de volta a Guimarães para a sua 7ª edição que apresenta um cartaz de 9 espetáculos, entre os quais duas estreias absolutas e quatro estreias nacionais. Russell Maliphant e Wim Vandekeybus têm honras de abertura e encerramento, respetivamente. Tânia Carvalho, coreógrafa em destaque neste GUIdance, estreia uma nova criação e traz também uma reposição do seu valioso repertório. João dos Santos Martins e Cyriaque Villemaux, Jonas & Lander, Luís Guerra, Jefta van Dinther e Thiago Granato, Ana Jezabel e António Torres, também têm lugar marcado nos palcos do GUIdance. O festival apresenta, ainda, uma série de atividades paralelas que aproximam o público dos artistas, para que se possa ver (e perceber) mais de perto o processo criativo inerente aos espetáculos.

 

A abertura do GUIdance 2017 tem lugar esta quinta-feira, dia 02 de fevereiro, às 21h30, no Grande Auditório do Centro Cultural Vila Flor (CCVF), e está a cargo que Russell Maliphant, que nos traz “Conceal | Reveal”. A estreia absoluta em Portugal do coreógrafo, uma das atuais estrelas da dança contemporânea, acontece num momento em que este celebra 20 anos de parceria com o icónico designer de luz Michael Hulls. Os dois criaram peças incríveis e o GUIdance tem o privilégio de apresentar um espetáculo que condensa, numa só noite, criações recentes e um clássico da companhia. Na noite seguinte, à mesma hora, no Pequeno Auditório do CCVF, é a vez de João dos Santos Martins e Cyriaque Villemaux apresentarem a cocriação “Autointitulado”, uma peça que é o estilhaçar de um conjunto de referências e memórias da dança que foram reunidas para serem partidas novamente.

 

No sábado, dia 04, às 18h30, e desta vez na Black Box da Plataforma das Artes e da Criatividade, Jonas & Lander estreiam “Adorabilis”. Neste espetáculo, a dupla de criadores serve-se da riqueza cultural e natural para criar uma dança complexa, que é também um desafio ao público. À noite, às 21h30, novamente no Grande Auditório do CCVF, Tânia Carvalho traz ao palco do GUIdance a estreia absoluta da sua mais recente criação, “Captado pela Intuição”, um solo que é um hino ao ato criativo e à força da interpretação. Tânia Carvalho retorna ao festival na sua segunda semana, dia 08, às 21h30, na Black Box da Plataforma das Artes, com a remontagem de “De Mim Não Posso Fugir, Paciência!”, peça de 2008 que explora os movimentos que um pianista deveria aprender de modo a interpretar a música, numa relação de interdependência com a dança.

 

No dia 09, às 21h30, Luís Guerra traz ao Grande Auditório do CCVF “A Tundra”. Depois de trabalhos anteriores também eles ligados à natureza, o criador caminha agora para um espaço de pacificação. No dia 10, no mesmo horário, o palco do Pequeno Auditório recebe a estreia nacional da peça “This is Concrete”, de Jefta van Dinther e Thiago Granato. Aqui, os corpos de dois homens embrenham-se incessantemente, esbatendo as fronteiras um do outro, convidando o público a passar tempo com algo incerto. No dia 11, às 18h30, na Black Box da Plataforma das Artes, a dupla de jovens criadores Ana Jezabel e António Torres apresenta, em estreia absoluta, “A importância de ser (des)necessário”. A peça debruça-se sobre a preservação do conceito de individualidade e personalidade, os vários lutos que temos de fazer ao longo da vida para ultrapassar as adversidades.

 

O GUIdance encerra na noite de 11 de fevereiro, no Grande Auditório do CCVF, com a estreia nacional de “Speak low if you speak love”, de Wim Vandekeybus, que chega ao festival também em jeito celebratório pelos 30 anos da sua conceituada companhia Ultima Vez. Este espetáculo reafirma a relação de grande cumplicidade entre o coreógrafo belga e o músico Mauro Pawlowski. “Speak low if you speak love” não é uma ópera, nem um musical, mas antes uma combinação irrequieta de música experimental e tradição clássica em que o tema central é o amor.

 

À semelhança das edições anteriores, o festival apresenta um cartaz de atividades paralelas que aproximarão público, artistas, escolas e pensadores, afirmando o GUIdance como um importante acontecimento artístico no calendário de inverno. Há masterclasses com Russell Maliphant e Nuhacet Guerra da Companhia Ultima Vez de Wim Vandekeybus, conversas pós-espetáculo, sessões para escolas e debates sobre a questão da autoria, um tema instigador que terá dois tempos e dois painéis diferentes dentro da janela do festival, moderados pela jornalista Cláudia Galhós. O meeting point do festival acontece todas as sextas e sábados, a partir de meia-noite, no Café Concerto do CCVF com direito a dj set.

 

Os bilhetes para o GUIdance encontram-se à venda nas bilheteiras do Centro Cultural Vila Flor e da Plataforma das Artes e da Criatividade, bem como nas lojas Fnac e El Corte Inglês, entre outros pontos de vendas, e na internet em www.ccvf.pt e oficina.bol.pt. O preço dos bilhetes varia entre os 10,00€ e os 3,50€ e há ainda a possibilidade de adquirir diferentes assinaturas para o festival. Os alunos que frequentam Escolas de Artes Performativas têm um preço especial de 4,00€ nos espetáculos. O programa completo do GUIdance pode ser consultado em www.ccvf.pt.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.