Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

: Inauguração da exposição "MDM: BIO-ARTE-FACTOS /// LEITMOTIV #16 /// Do Liminar #4

ac10bb1b-e440-4421-a2de-4e91593e860d.jpg

 

Marta de Menezes

MDM: Bio-Arte-Factos


20. 10. 2016
Abertura / Opening

19. 11. 2016 

Encerramento / Closing

Zaratan - Arte Contemporânea - Rua de São Bento, nº 432, Lisboa
Aberto Quinta das 19h às 24h. Sexta e Sábado das 16h às 24h. Domingo das 16h às 20h / Open Thursday from 7pm to 12pm. Friday and Saturday from 4pm to 12pm. Sunday from 4pm to 8pm
Para marcações: 
zaratan.ac@gmail.com ou +351 965 218 382 / For appointments: zaratan.ac@gmail.com
 or call +351 965 218 382


No dia 20 de Outubro, pelas 19h, a Zaratan-Arte Contemporânea tem o prazer de apresentar MDM: Bio-Arte-Factos, uma exposição individual de Marta de Menezes que reúne um conjunto de projectos emblemáticos em relação a peculiaridade do seu processo artístico.
O trabalho de Marta de Menezes é uma prática artística com um intenso conteúdo científico, uma forma de fazer que vive em áreas de fronteira entre a Arte e a Ciência, entre o conceito e a materialidade. As suas peças exploram predominantemente a natureza individual, a tenção entre o artificial e o natural, bem como a ideia de identidade. Essas obras utilizam novos media, não se restringindo aos modelos de representação clássicos das artes visuais. Os projectos de Marta de Menezes utilizam os "moistmedia", como plantas, bactérias, células, genes e proteínas. No entanto não se limitam a uma apresentação simples desses materiais, utilizando a tecnologia e a ciência para a sua manipulação e instalação no espaço expositivo. Resultam assim formas inovadoras para expressão de conceitos em artes visuais que provocam os visitantes. A obra de Marta de Menezes oferece uma nova perspectiva sobre a crescente hibridização entre a natureza e a cultura que questiona os limites e limitações da vida, da nossa identidade, e da própria arte.

BIO:
Marta de Menezes tem vindo a explorar a intersecção da arte e da biologia, trabalhando em laboratórios de investigação de forma a provar que as novas tecnologias de biológicas podem também elas ser um meio para as belas artes. O seu primeiro trabalho com o cruzamento destas duas disciplina data de 1999 e foi criada modificando o padrão das asas de borboletas – "Nature?". Desde então tem utilizado diversas técnicas laboratoriais nas suas obras, como nucleArt de 2002 onde utilizava sondas de ADN fluorescentes para criar micro esculturas no núcleo de células humanas, ou esculturas feitas com proteínas (Proteic Portrait, 2002-2007) ou ainda ADN em 2003 e 2004 nas peças "Innercloud" ou "The Family" respectivamente.