Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Iniciativa da CM Lisboa junta a FNAC à histórica Livraria Barata

Projeto “Lojas com História” pretende preservar o património cultural da cidade

 

Iniciativa da CM Lisboa junta a FNAC à histórica Livraria Barata

image002.png

 

Numa altura em que as livrarias tradicionais enfrentam um grave período de crise, a FNAC, desafiada pela Câmara Municipal de Lisboa (CML), juntou-se a uma iniciativa tripartida com o objetivo de preservar o património cultural e de cidadania da Livraria Barata.

 

A cidade de Lisboa tem tido como uma das suas prioridades preservar e salvaguardar os estabelecimentos de comércio tradicional e histórico, de que é exemplo a Livraria Barata, que assumiu um papel relevante na história do país. Assim, a CML através do seu programa ‘Lojas com História’ desenvolveu um plano de apoio à Livraria Barata.

 

Neste contexto, este novo modelo de negócio posiciona a FNAC no mercado tradicional, sem concorrência direta nas novas categorias a explorar e numa localização na qual a marca ainda não está presente, área essa com uma população residente cada vez mais jovem.

 

Já para a Livraria Barata, trata-se de uma sinergia importante no quadro de um plano mais amplo de reposicionamento da marca e do espaço da livraria, numa aposta de futuro que pretende reestruturar o negócio, aproximando-o de novos públicos e oferecendo novos produtos e atividades. Esse plano de reposicionamento, de que este modelo de negócio conjunto com a FNAC é o primeiro pilar, está a ser terminado e deverá ser conhecido no início de 2021.

 

Para a Livraria Barata esta é, também, uma oportunidade de renovar a sua atitude sem, no entanto, perder ou condicionar os seus valores humanistas e de cidadania, de defesa da Cultura, da Arte, do Livro e da Educação.

 

Para a FNAC, esta é uma parceria de interesse estratégico, num espaço composto por dois pisos – com livraria no piso térreo e espaço para exposições e eventos no piso -1. Nesta iniciativa tripartida, a FNAC vai ampliar a gama de produtos disponível neste espaço histórico com vinis, produtos de papelaria, jogos e brinquedos, instrumentos musicais, merchandising, equipamentos de som e de telecomunicações, de forma a dar resposta às necessidades da população local. A marca fará ainda a gestão do catálogo e da disponibilização do stock de livros.

 

Esta parceria é mais um esforço da FNAC na sua missão de promover a cultura em Portugal, nomeadamente, o setor livreiro, que tem tido quebra exponenciais no volume de vendas devido às medidas restritivas impostas pelo Governo ara mitigar a propagação do coronavírus responsável pela pandemia covid-19.