Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

“Joias da Carreira da Índia”

Joias%20da%20Carreira%20da%20Índia%20(2).jpg

 

 

Os tesouros cobiçados pelos portugueses aquando da grande aventura no Oriente podem agora ser vistos, em exposição, no Museu do Oriente. De 13 de novembro a 26 de abril de 2015, “Joias da Carreira da Índia” mostra um conjunto de 200 peças em ouro e prata, datadas entre o século XVI a XX, delicadamente trabalhadas e enriquecidos com pedras preciosas e esmaltes de cores vibrantes. 

 

Este conjunto de objetos preciosos - do qual se destaca um cofre com as armas de Álvaro de Castro, filho do governador e vice-rei João de Castro (1500-1548), peça inédita, exibida ao público pela primeira vez – não surge isolado, para ser fruído apenas pelos seus méritos artísticos ou valor material, mas sim, para ser contextualizado e enquadrado nas dinâmicas dos tempos que os viram nascer.

 

Gemas preciosas e joias cativaram, desde logo, os primeiros aventureiros que desembarcaram das naus da Carreira da Índia. Mais do que a busca pela pimenta de Cochim, a canela do Ceilão ou o cravinho das Molucas, foi o apelo das preciosidades orientais que cativou comerciantes, sacerdotes, aventureiros e militares, confiantes no retorno lucrativo de um tráfico não controlado pela coroa.

 

Além da expansão e conquista territorial, foi também uma jornada missionária que, longe do reino, tornou necessária a criação de instrumentos de doutrina e novas alfaias para deslumbramento dos recém-convertidos. Este império de objetos em ouro e prata surgiu, então, numa confluência artística destes dois mundos diferentes, estranhos e afastados, cada qual imprimindo uma marca própria, tornando-se variação de modelos trazidos na bagagem de nobres e missionários.

 

As peças em exposição foram cedidas por colecionadores privados, pelo Museu Nacional de Arte Antiga, o Museu Nacional Soares dos Reis, a Fundação Medeiros e Almeida, a Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva, pelo Patriarcado de Lisboa e pelas dioceses de Santarém e Coimbra.

 

A exposição é comissariada por Hugo Miguel Crespo, do Centro de História da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

 

Exposição temporária

“Joias da Carreira da Índia”

13 de novembro a 26 de abril de 2015

terça-feira a domingo: 10h00-18h00

sexta-feira: 10h00-22h00 (entrada gratuita a partir das 18h00)

Encerra à segunda-feira

Preço: € 6,00 (descontos aplicáveis)

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.