Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

JOSÉ MATIAS, entretém para quatro mulheres

Cartaz_FB.png

 

ArteViva - Companhia de Teatro do Barreiro tem o prazer de anunciar mais uma grande estreia!

 

SEXTA-FEIRA, dia 11 JANEIRO 2019, às 21h30 vamos entrar no mundo de quatro mulheres e de um homem muito presente mas sempre ausente

. Uma obra da escritora portuguesa, Luísa Costa Gomes.

JOSÉ MATIAS, encenação de Rui Quintas.

 

 

Quando pegamos num texto nem sempre sabemos o que fazer com ele. José Matias foi um desses textos. Acabou por me interessar trabalhar a forma como olhamos os outros, como os vemos e interpretamos, algo inerente à condição humana e que em José Matias se encontra no universo feminino.

Nos dias de hoje, a lente de observação do outro encontra-se ampliada através do obturador e da lente de uma câmara de filmar. O que assistimos em casa, através da televisão, leva-nos a crer que tudo o que vemos é verdade e que espelha o que são pessoas reais. Uma verdade, plástica e distorcida, pela captação, pela encenação, pela edição, pela forma como nos é apresentada. O que são “pessoas reais” nos dias de hoje?

O nosso José Matias – uma comédia de situação:

O espectador é convidado a sentar-se na sala para assistir a uma caricatura de uma sitcom, como se fazia em tempos idos, filmada num teatro, com assistência, em directo/diferido, com o fim de ser transmitida para nossa casa em formato televisivo.

Quatro actrizes, estrelas de televisão, representam as quatro mulheres criadas por Luísa Costa Gomes.

Quatro mulheres cosmopolitas, fortes, independentes, sensíveis, apaixonadas ou talvez não, que vivem com José Matias no pensamento. Quatro mulheres que representam a mulher, a filha, a prima, as amigas, as amantes, as confidentes, tudo em torno do ausente mas sempre presente, José Matias.

Quatro mulheres, quais quatro gatas, digladiam-se por um homem no ginásio da vida.

José Alberto Almeida Matias.

“Professor desagregado, espírito elevado e livre, mas de corpo casado, filho da mãe, marido de mulher, também pai de esposa e filho de esposa e pai de filha e filho de filha... E irmão da esposa, como os faraós do Egipto...”

 

P.S. – Este espectáculo foi inicialmente programado como projecto de encenação a quatro mãos com o actor António Cordeiro. Para ele vai a nossa homenagem e solidariedade.

                                              

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.