Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

José Miguel Pereira vence X Bienal de Pintura de Pequeno Formato

Bienal de Pintura - vencedor.jpg

 

José Miguel Tavares Rodrigues Pereira, com a obra “Factory Towers”, foi o vencedor da X Bienal de Pintura de Pequeno Formato - Prémio Joaquim Afonso Madeira. O júri decidiu ainda atribuir um prémio revelação a Diogo Martins (com a obra “HowToReadABook”) e menções honrosas aos artistas Cristina Fontes, João Moreira e Vitor Malva. As obras premiadas foram divulgadas na inauguração da exposição da Bienal, no dia 10 de julho. A exposição vai estar patente até 1 de agosto, no espaço FAVO – Fábrica de Artes Visuais e Ofícios, em Alhos Vedros.

A Bienal de Pintura de Pequeno Formato - Prémio Joaquim Afonso Madeira é uma organização conjunta da Câmara Municipal da Moita, Junta de Freguesia de Alhos Vedros e CACAV - Círculo de Animação Cultural de Alhos Vedros e pretende ser um incentivo à criação artística, no domínio da pintura, através do apoio aos artistas, na valorização do seu trabalho e no encontro deste com a comunidade. O Prémio Joaquim Afonso Madeira é atribuído pela Câmara Municipal da Moita e tem o valor de 1 000 euros. O Prémio Revelação, no valor de 350 euros, é atribuído pela Junta de Freguesia de Alhos Vedros.

A exposição pode ser visitada àssextas-feiras e sábados, das 17:00h às 21:00h, e domingos, das 17:00h às 19:30h.

Ainda no âmbito da X Bienal de Pintura de Pequeno Formato - Prémio Joaquim Afonso Madeira, o espaço FAVO – Fábrica de Artes Visuais e Ofícios, em Alhos Vedros, acolhe, no dia 17 de julho, pelas 17:00h, uma tertúlia fotográfica sobre o tema “A fotografia e o património cultural e natural, na comunidade”, com a participação de Fernando Pinho, João Ramos, Joaquim Gomes, José Augusto Nascimento e Isabel Ferreira; a 24 de julho, pelas 17:00h, a intervenção de Fabrícia Valente sobre o tema “Quando se desabita a pintura”, seguido de debate aberto e, no dia 31 de julho, também pelas 17:00h, um concerto de Didgeridoo, por Ruben Branco.