Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

"Kumbha Mela - Desafio da existência" no Museu do Oriente

MUSEU DO ORIENTE

 

Conferência sobre o maior festival religioso do mundo

Os Saddhus-13_kMELA-min.jpg

 

A cada 12 anos, a Índia celebra aquela que é considerada a maior congregação religiosa do mundo, o festival Kumbha Mela que, na última edição, contou com a participação do fotógrafo Eduardo Leal e da antropóloga Dânia Rodrigues. No dia 15 de março, às 16.00, no Museu do Oriente, ambos partilham a sua experiência numa conferência de entrada gratuita.

 

Nos primeiros dois meses de 2019, por ocasião do Kumbha Mela, cerca de 120 milhões de peregrinos viajaram de todas as partes do subcontinente indiano até Prayagraj, o ponto onde se unem os rios Ganges, Yamuna, e o mítico Saraswati, para terem o privilégio de se banhar nas celestiais águas, num momento auspicioso ditado pelas estrelas.


Neste projecto, o fotógrafo documental Eduardo Leal e a investigadora Dânia Rodrigues apresentam o quotidiano vivido pelos milhões de devotos que participam neste vibrante fenómeno, com um especial enfoque nos saddhus, os homens santos indianos que renunciaram a todos os bens materiais na busca pela espiritualidade.

 

A originalidade deste trabalho encontra-se relacionada com a profunda relação que o fotógrafo estabeleceu com um destes indivíduos, Pranav Muni, um saddhu que renunciou à utilização da oralidade, e que se cobre de cinzas sagradas para melhor se concentrar sobre a impermanência da existência humana. Este laço permite um olhar sem precedentes para a vida íntima destas misteriosas personagens, concedendo um acesso privilegiado aos bastidores do festival, e à vibrante actividade que ocorre nas horas crepesculares no interior do recinto sagrado.

 

Eduardo Leal é fotógrafo documental no Sudoeste Asiático, focado principalmente em questões sociais, de género e ambientais. Formado em Jornalismo pela Escola Superior de Jornalismo do Porto, concluiu o mestrado em fotojornalismo e fotografia documental pela London College of Communication. O seu trabalho já recebeu diversos reconhecimentos como o Sony World Photo Awards, o Prémio Estação Imagem, o Picture of the Year Latin America, Lens Culture Earth Awards, Kuala Lumpur Photo Awards, entre outros. Reside actualmente em Macau e trabalha com publicações como The Washington Post, Time, Al Jazeera, Bloomberg, The Guardian, Dagens Nyheter, Courrier Internacional, Terra Mater Magazine, Revista Greenpeace, VQR ou British Journal of Photography.


Dânia Rodrigues possui formação na área da História e da Antropologia Cultural, após uma licenciatura em Arqueologia e História na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, e um mestrado em Antropologia Cultural e Etnologia na Università degli Studi di Torino, em Itália. Especializou-se no estudo da religião do subcontinente indiano e da cultura do Sul e Sudeste Asiático, tendo publicado vários trabalhos académicos e divulgativos neste âmbito. Para aprofundar o conhecimento sobre estas realidades, habita desde 2015 em diversas partes desta região, recolhendo informação sobre as práticas e as crenças dos seus habitantes. O seu enfoque particular são os sistemas filosóficos, religiosos e antropológicos subjacentes a várias correntes hinduístas.

 

A entrada é gratuita, limitada à capacidade da sala (350 lugares). Os bilhetes podem ser levantados após as 10.00, no dia da conferência, no Museu do Oriente (máx. 2 por pessoa).


Conferência Kumbha Mela - Desafio da Existência

15 de Março, domingo

Auditório

16.00

Duração: 90', sem intervalo

Entrada gratuita, mediante levantamento de bilhete no próprio dia

 

 

www.museudooriente.pt