Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

"LARGO CO(N)VIDA" VOLTA A TRAZER ANIMAÇÃO AO CENTRO HISTÓRICO DE TORRES VEDRAS

transferir (1).jpg

 

A Câmara Municipal de Torres Vedras volta a organizar o evento "Largo Co(n)vida", proporcionando dessa forma, mais uma vez, em setembro, a fruição cultural no requalificado centro histórico de Torres Vedras.

Em 2020 os espetáculos do "Largo Co(n)vida" terão lugar na Praça Dr. Alberto Avelino (antigo Páteo Alfazema), sempre pelas 22h:

 

Dia 4 | sexta-feira | Noite de Fados com o grupo Formas de Fado

No silêncio da noite, com o mistério que a envolve, o Fado, que nos fala de sentimentos profundos da alma Portuguesa, deve ser ouvido com uma "alma que sabe escutar".

O fadista canta o sofrimento, a saudade de tempos passados, a saudade de um amor perdido, a tragédia, a desgraça, a sina e o destino, a dor, o amor e o ciúme, a noite, as sombras, os amores, a cidade, as misérias da vida, a critica à sociedade. É este o fado que faz chorar as guitarras.

Convida-se a assistir a um serão musical, que irá abordar desde o Fado Marialva ao Fado Canção.

Ficha Artística
Fadistas: Andreia Matias, Avelino Santos, Cristina Santos e Leonor Madeira
Guitarra e voz: Henrique Leitão
Viola e voz: Eduardo Lemos
Músico: António Luís Valente (piano, acordeão, cavaquinho e percussão)

transferir (2).jpg

Dia 5 | sábado | O2

O2 trata-se da mais recente criação da companhia PIA, uma performance que, através das linguagens do teatro físico e das formas animadas, convida o espetador a uma reflexão sobre como poderia sobreviver uma sociedade, onde a tecnologia desvanece as relações humanas e o acesso ao oxigénio se torna um luxo.

Um projeto de arte pública intercultural, que nasce no início de 2019 na cidade de Macau, onde registos de níveis alarmantes de partículas poluentes começam a ser recorrentes. Um cenário que leva à criação de um espetáculo que surge com o intuito de sensibilizar a uma, cada vez maior, necessidade de se encontrar práticas sustentáveis como forma de superar as adversas alterações ambientais que se tornaram, hoje em dia, transversais a todos.

Na contemporaneidade, a Arte apresenta a oportunidade de habitarmos mundos artísticos, onde as inter-relações criativas e críticas, estimulam os nossos sentidos, rompendo conceitos, hibridizando conceções, articulando e cruzando artefactos e processos, abrindo assim novas possibilidades.

Ficha artística
Autoria, encenação, direção artística e plástica: Pedro Leal
Direção de produção e audiovisuais: Helena Oliveira
Formas animadas e conceção plástica: Pedro Leal
Sonoplastia, equipa técnica e construção: Álvaro Presumido
Performers: Ana Andrade, Helena Oliveira, Manuel Amarelo, Mafalda Cabral, Sara Araújo e Tiago Augusto
Produção: PIA - Projectos de Intervenção Artística CRL
Parceiros MACAU: Trista Cheong / Long Fung Drama Club
Agradecimentos: Catarina Mota, Rui Rodrigues, Nuno Dores
Apoio à criação Macau: Instituto Cultural de Macau, Fundação de Macau e Fundação Oriente
Apoio à criação: Fundação GDA

 

Dia 12 | sábado | Asas d’ Areia

Asas d’Areia é um espetáculo/instalação que funde o vídeo documental e o conceptual com o circo, nomeadamente a arte do equilíbrio (arame e corda bamba) e a dança.

Este espetáculo debruça-se sobre a temática dos povos migratórios, contextualizando, de forma mais particular e numa perspetiva humanitária, nos que estão retidos em campos de refugiados. O foco do trabalho, que foge da mera ilustração do tema, ou de uma abordagem de análise política sobre o mesmo, visa essencialmente uma investigação sobre a natureza, comportamento e relações humanas, quando subordinados a condições extremas, num lugar inóspito, vazio de esperança e/ou expetativas de futuro.

Dois personagens buscam um lugar vital, essencial, que lhes preserve a dignidade e a capacidade de resistir.

Ficha artística
Criação e direção: Julieta Aurora Santos
Interpretação: Douglas Melo e Kátia Rocha
Banda sonora: Tiago Inuit
Cenografia: Roberta Cangussu, Luís Santos e Adriana Freitas
Construção: Luís Santos
Figurinos e adereços: Adriana Freitas
Videoarte mapping: Carlotta Premazzi
Vídeo documental: Isabel Teixeira
Apoio, edição e vídeo: Diogo Vilhena
Apoio ao movimento: Ana Pontes
Desenho de luz: Luís Santos
Operação técnica: Carlos Campos e Luís Santos
Consultoria e investigação: Tiago Cardoso
Direção financeira e gestão: Sónia Custódio
Direção de produção: Frederico Salvador
Produção: Roberta Marques
Coprodução: MAPS e Município de Setúbal

 

Dia 19 | sábado | Sombras

A nova peça do Teatro SÓ, Sombras, propõe uma reflexão acerca da violência doméstica.

"Seguindo um estilo de encenação que tem sido característico da nossa companhia de teatro, a peça incide sobre o sentimento e manifestações íntimas da vítima, dispensando o retrato mimético da violência e o exame moral. Nesta abordagem intimista o público é testemunha do sofrimento, desconsolo e desespero que perpassam os silêncios e interrogações de uma vítima de violência doméstica. Esse lugar mental, que em tudo se assemelha a um quarto bafiento sem luz nem janelas, é de difícil acesso.

O Teatro SÓ privilegia por isso a poesia visual em detrimento da palavra como método de abordagem dos estigmas sociais, transversais a diversas sociedades e gerações, convidando o público a uma involuntária cumplicidade. A abordagem de um tema tão complexo como o da violência doméstica merece principal destaque aqui atendendo que se trata de um espetáculo de rua, em andas, desenhado para o espaço público. Tudo aquilo que um tabu não deseja para si mesmo."

Ficha artística
Direção artística: Sérgio Fernandes
Interpretação: Ana Gabriel
Composição musical: Ferdinand Breil
Figurinos: Ana Baleia
Cenografia: Tó Quintas
Máscara: Nuno Pino Custódio e Sérgio Fernandes
Olhar exterior: Anna Toews, Beatriz Cantinho e Pedro Diogo
Operação técnica: João Veiga

transferir (3).jpg

Dia 26 | sábado | Objetoteca popular itinerante 

Objetoteca popular itinerante é ela própria um objeto híbrido - é a partir do encontro amoroso entre uma biblioteca itinerante e uma carrinha de feira que se faz esta performance da enciclopédia popular dos objetos do quotidiano. Objetos reais e irreais, materiais e imateriais apresentados juntos e ao vivo, como nunca antes foram vistos!

Ficha artística
Direção artística: Igor Gandra e Carla Veloso
Texto, dramaturgia e conceção cenográfica: Igor Gandra
Artistas convidados: Filipe Moreira e Gisela Maria Matos
Outros convidados: Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço
Realização plástica da cenografia e adereços: Eduardo Mendes
Desenho de luz: Mariana Figueroa
Vídeo: Carlota Gandra
Registo fotográfica: Susana Neves
Oficina de construção: Eduardo Mendes, Daniela Gomes, Matilde Gandra e Nádia Soares (estagiária da Escola Profissional da Campanhã)
Produção: Carla Veloso
Coprodução: Teatro de Ferro e Câmara Municipal do Porto (no âmbito do programa “Cultura em Expansão”)

 

As entradas para se assistir a estes espetáculos no âmbito do "Largo Co(n)vida" são gratuitas, estando no entanto limitadas a 45 espetadores.

Mais informações podem ser obtidas pelo n.º de telefone: 261 320 760; ou pelo e-mail: cultura@cm-tvedras.pt.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.