Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Lídia Jorge vence XXIV Grande Prémio de Literatura dst

Estuário - Lídia Jorge.jpg

 

*Prémio, no valor de 15 mil euros, será entregue no dia 28 de junho, no Theatro Circo, no âmbito da inauguração da Feira do Livro de Braga

 

A escritora portuguesa Lídia Jorge é a vencedora do XXIV Grande Prémio de Literatura dst, com a obra “Estuário”, publicada em Maio de 2018. O prémio no valor de 15 mil euros será entregue no próximo dia 28, no âmbito da inauguração da Feira do Livro, em Braga.

O júri, composto por Vítor Aguiar e Silva, José Manuel Mendes e Carlos Mendes de Sousa, figuras de relevo no meio literário nacional e com os quais o dstgroup tem vindo a contar desde a génese do prémio, justifica a escolha deste romance “pela elevada qualidade da sua escrita, absorvendo e reelaborando fragmentos de um quotidiano mutacional, com fortes sequências efabulatórias e personagens com notória densidade social e psicológica”.

A XXIV edição do Grande Prémio de Literatura dst, dedicada a publicações em prosa, registou este ano cerca de uma centena de participações de autores portugueses, entre as quais foram selecionadas cinco finalistas. “Ecologia”, de Joana Bértholo, “Burgueses Somos Todos Nós ou Ainda Menos”, de Mário de Carvalho - vencedor da X edição do Grande Prémio de Literatura dst -, “Um Bailarino na Batalha”, de Hélia Correia, “Estuário”, de Lídia Jorge, e “Um Muro no Meio do Caminho”, de Julieta Monginho, foram os títulos que chegaram à fase final deste prémio anual, cujo funcionamento rotativo distingue num ano um livro de poesia publicado em primeira edição no biénio anterior, e, no ano seguinte, um título em prosa saído, também, no biénio que o precedeu.

“Estuário”, de Lídia Jorge, é um livro que retrata a vulnerabilidade de um homem, de uma família, de uma sociedade e do próprio equilíbrio da Terra, relatados pelo olhar de um jovem sonhador que se interroga sobre a fragilidade da condição humana. 

O Grande Prémio de Literatura dst é já uma referência incontornável no panorama cultural português. Nestes últimos anos tem distinguido nomes como Jacinto Lucas Pires, Armando Silva Carvalho, Luísa Costa Gomes, ,Manuel Alegre e Mário Cláudio. Em 2018 venceu Daniel Jonas, com o livro de poesia “Oblívio”.

Sobre Lídia Jorge

Lídia Jorge nasceu em 1946, no Algarve. Da sua vasta obra destacam-se os romances O Dia dos Prodígios (1980), O Cais das Merendas (1982), Notícia da Cidade Silvestre (1984), os dois últimos distinguidos com o Prémio Cidade de Lisboa, A Costa dos Murmúrios (1988), um dos mais poderosos textos sobre a guerra colonial, adaptado ao cinema num filme de Margarida Cardoso, e O Jardim sem Limites (1995), distinguido com o Prémio Bordallo de Literatura da Casa da Imprensa. Em 1998 publica Vale da Paixão, distinguido com os prémios Dom Dinis, Bordallo, Ficção do Pen Club, Máxima de Literatura e o Prémio Jean Monet de Literatura Europeia – Escritor Europeu do Ano, tendo sido ainda finalista do International IMPAC Dublin Literary Award 2003. O seu romance O Vento Assobiando nas Gruas (2002) conquistou o Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores e o Prémio Correntes d’Escritas, já o romance Combateremos a Sombra (2007) venceu o Prémio Charles Bisset (2008). 

Foi ainda vencedora do prestigiado prémio da Fundação Günter Grass, na Alemanha, ALBATROS (2006) e do Grande Prémio Sociedade Portuguesa de Autores – Millennium BCP. Em 2011, ano em que publica A Noite das Mulheres Cantoras, foi-lhe atribuído o Prémio da Latinidade João Neves da Fontoura, pela "consagração da sua obra como escritora que muito tem contribuído para o enriquecimento do património cultural e literário do Portugal contemporâneo". Em 2014 publica Os Memoráveis, em 2016 o texto para teatro Instruções para Voar e o livro de Contos O Amor em Lobito Bay. A sua obra encontra-se traduzida em muitas línguas e países, sendo recebida pelos críticos nacionais e internacionais com grande interesse. 

Sobre o dstgroup

O dstgroup é um grupo empresarial português, nascido em Braga, nos anos 40, que desenvolve a sua principal atividade na área da Engenharia & Construção, setor que lhe deu origem e no qual é um dos grupos nacionais de referência. Atento às exigências do mercado, diversificou a sua atividade para áreas de negócio sinérgicas com a sua atividade central, nomeadamente Ambiente, Energias Renováveis, Telecomunicações, Real Estate e Ventures, somando competências nas suas diversas empresas.

É um mecenas cultural por excelência, sendo o apoio à Cultura e à Arte parte indissociável do seu código genético, o que se reflete de forma mais visível na sua assinatura de marca building culture. Há quase 25 anos que promove o “Grande Prémio de Literatura dst”, de âmbito nacional, que se junta a outras iniciativas de apoio e de incentivo à leitura no seio do grupo e junto da comunidade, tendo lançado em 2019 a I edição do “Prémio de Literatura dstangola/Camões”.