Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Lua Cheia em Outubro 2015

BrincosdePenas_imprensa.jpg

 

A IDEIA É APENAS UMA IDEIA

Acolhimento na Casa do Coreto OS ILUSIONISTAS

2 e 3  sexta e sábado às 22h00

Casa do Coreto - R. Neves Costa, 45 CARNIDE

Reservas: 938018777 | 966046448

 

Na sequência do projecto ILUSÃO, espetáculo do Teatro Cornucópia, que integrava 59 actores não profissionais, formou-se espontaneamente um pequeno grupo de teatro, OS ILUSIONISTAS.
A peça baseia-se em quadros criados a partir de textos produzidos em sessões de escrita criativa e que formam um todo contínuo, apesar de não se contar uma história nem tão pouco se obedecer a uma estrutura convencional.
Um maestro frustrado com o seu coro abre o espectáculo, seguindo-se cenas que variam desde reflexões sobre temas como a inspiração, o sonho, o sentimento, o medo, passando por diferentes comentários (simpáticos, desagradáveis e sarcásticos) a uma rapariga que se vê ao espelho; fala-se ainda de uma mulher antiga que “se espreguiça quando cumprimenta o mundo”, joga-se com o relógio que “não nos deixa em paz”, e ainda vemos um mesmo horóscopo aplicado em três versões completamente diferentes.
Sobra ainda tempo para se falar de poesia, de épocas de escassez, e para juntamente com o público, se cantar uma métrica aparentemente impossível. Discussões conjugais, críticas a vizinhos, memórias de “outros tempos” e até um concurso televiso cabem também nestes quadros que de uma forma ora séria ora divertida, tocam em questões marcantes da sociedade actual (o individualismo, a solidão, o desamor).
Autores como Alberto Caeiro e Eugénio de Andrade, passando pela Bíblia e a Wikipédia, entre outros, inspiraram estes textos.
A Companhia os Ilusionistas apresenta o espectáculo A IDEIA É APENAS UMA IDEIA
Autor Criação colectiva Encenação Lina Paula Pinto Sonoplastia Gustavo Almeida
Actores Elvira Silva, Isabel Coruche, Jorge Pires Silva, Lina Paula, Manuela Martins, Paulo Almeida e Vitória Pato.

 

 

Workshop Marionetas

10 e 17 sábados às 15h00

Casa do Coreto - R. Neves Costa, 45 CARNIDE

Reservas: 938018777 | 966046448

 

> 4 anos

Era uma vez uma caixa de ovos…

 

 

BRINCOS DE PENAS

24 e 31 sábados às 15h00

Casa do Coreto - R. Neves Costa, 45 CARNIDE

Reservas: 938018777 | 966046448

 

> 4 anos

Espectáculo de marionetas e imagem animada

 

Pé-de-Atleta é um pequeno índio que ao passear tranquilamente em terras da Águia Tonta, se depara com o cair inesperado de seis coloridas penas de ave.

De onde terão vindo? O que irá fazer com elas e será que têm algum significado especial? Muitos tentaram desvendar aquele grande mistério…

E tu queres conhecê-lo?

 

EQUIPA  ARTÍSTICA  e TÉCNICA

Texto Maria Teresa Gonzalez Versão Cénica e Interpretação Ana Enes e Maria João Trindade  Música Original Cristiano Barata Sonoplastia e Execução Musical Cristiano Barata e Moz Carrapa Marionetas Marta Fernandes da Silva  Espaço Cénico Maria D' Almeida e Lua Cheia Figurinos Zé Nova (actrizes) e Maria d'Almeida (marionetas) Ilustrações e Design Gráfico Inês do Carmo Fotografia Carlos Muralhas   Direção de Comunicação Ana Enes  Direção de Produção Maria João Trindade  28ª Criação Lua Cheia teatro para todos

 

Agradecimentos António Plácido, Filipa Trindade, Gil Dionísio, Miguel Gomes, Pedro Serpa e Ricardo Trindade 

 

 

 

NOITES DE LUA CHEIA

Estórias Chá e bolinhos…

27 terça 21h00

Com Angela Ribeiro

Espaço Lua Cheia - R. de Barcelona, 128 c/v Bairro P. Cruz CARNIDE

Bilhete  3€ |  1€ < 12 anos e  residentes em Carnide

Reservas:  938018777 | 966046448

 

 

 

A MENINA DO MAR

terça a sexta às 10h30 e 14h30

DISPONIVEL para reservas

Centro Cultural MALAPOSTA

Bilhete: 6€

Reservas: 219383100

 

A Menina do Mar, leitura encenada

M>4

Era uma vez uma casa branca nas dunas, voltada para o mar, um rapazito que adorava o cheiro da maresia, um polvo que ria, um caranguejo que ria, um peixe que ria e uma menina muito pequenina que ria também. Era uma vez uma poetisa...

A Menina do Mar, de Sophia de Mello Breyner é um apelo a sensações visuais, tácteis e auditivas, das quais emerge a realidade criada pelas palavras poéticas e claras, límpidas como a água, razão que nos fez optar pela leitura como base fundamental do trabalho. O envolvimento do público realça o aspeto dramático da história e apoia a sua interpretação.

 

Interpretação: Ana Enes e Maria João Trindade