Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

MAAT | Tomás Saraceno apresenta uma nova forma de habitar o planeta e Miguel Palma apresenta um desenho-instalação com mais de 300 obras.

 

 

Tomás Saraceno apresenta no MAAT uma nova forma de habitar o planeta.
Um Imaginário Termodinâmico abre ao público próxima quarta-feira, dia 22 de março.

 

Na nova intervenção site-specific na Galeria Oval, o artista argentino Tomás Saraceno apresenta uma constelação de esculturas existentes e inéditas, cuja articulação permite vislumbrar a possibilidade de um urbanismo do aeroceno, bem como a visão futurística de novas interações dos seres humanos com a atmosfera do planeta. O jogo de escala entre sombras, vídeos, instalações e esculturas transporta o visitante para um futuro imaginário, cria curiosidade, apela à imersão na exposição. Composta por 16 peças, algumas inéditas, a exposição, com curadoria de Pedro Gadanho e Rita Marques, comporta uma forte componente técnica e cientifica sustentada pelas parcerias que Saraceno foi feito ao longo dos anos, com organizações como a NASA ou o MIT, que o foram distanciando da utopia inicial que caracterizava o seu trabalho e aproximando-o a uma real nova forma de pensarmos e habitarmos a Terra.

 

Miguel Palma apresenta no MAAT um desenho-instalação com mais de 300 obras.

A-Zé uma enciclopédia da obra de desenho do artista e abre ao público na próxima quarta-feira.

 

Miguel Palma. A-Z é um desenho-instalação composto por cerca de três centenas de trabalhos sobre papel que estará patente no MAAT até 28 de maio. Com curadoria de Adelaide Ginga e Luísa Santos, esta é a primeira mostra deste artista exclusivamente dedicada ao desenho. Palma apresenta uma vasta panóplia de temas que, em conjunto, formam um léxico de observações, perceções e interpretações do mundo contemporâneo, sem uma aparente lógica de display: Um A a Z disperso, meândrico, que desconcentra a leitura do visitante como explica uma das curadoras, Adelaide Ginga.

Traduzindo apenas uma quarta parte do total de desenhos criados pelo artista desde os finais da década de 1980 até ao momento presente, A-Z apresenta-se como uma enciclopédia aleatória da obra de desenho do artista, oferecendo uma constelação de perceções críticas do mundo em que vivemos.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.