Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Mais de uma centena de pessoas deixaram-se encantar pelo génio de Raul de Caldevilla na inauguração da exposição "Cartazes de Sonho"

Exposição “Raul de Caldevilla – Cartazes de Sonho”

Mais de uma centena de pessoas deixaram-se encantar pelo génio de Raul de Caldevilla na inauguração  da exposição “Cartazes de Sonho”

 

A inauguração da exposição “Raul de Caldevilla – Cartazes de Sonho” ao final da tarde da passada terça-feira, 23 de janeiro, foi um sucesso, com a sala de exposições da Sociedade Nacional de Belas Artes a abrir as portas a mais de uma centena de convidados que se deixaram encantar pelos cartazes criados na ETP – Empreza Técnica de Publicidade, fundada no Porto em 1914 por Raul de Caldevilla, o Pai da Publicidade em Portugal.

Além de outras coleções privadas, compõem a exposição cartazes provenientes das coleções da Cinemateca Portuguesa, de Tomé de Barros Queiroz e de José Guilherme Vitorino.

Theresa Lobo e Paulo Trancoso foram os curadores, tendo agrupado por temáticas as várias criações, que datam das décadas de 1910 a 1920,  algumas capazes de causar controvérsia ou nostalgia, como é o caso de certas marcas e produtos que entretanto deixaram de existir. Também os fãs do cinema português encontram na exposição posters de alguns dos primeiros clássicos nacionais, como “As Pupilas do Senhor Reitor”, “Os Lobos”, “A Morgadinha de Valflor” ou “Um Chá nas Nuvens”.

“Raul de Caldevilla foi um visionário, capaz de prever aquilo que seria tendência antes de ela surgir. Soube perceber como o cinema podia ser um aliado da publicidade e ajudou os dois a crescer. Antes dele, os cartazes eram muito rudimentares, mas Raul de Caldevilla trouxe as cores, as ilustrações mais vivas e intensas e uma forma diferente de agarrar os consumidores”, explicou Paulo Trancoso, presidente da Academia Portuguesa de Cinema.

Após a inauguração da exposição, os convidados atravessaram a rua, até à Cinemateca Portuguesa, para assistirem aos primeiros três filmes realizados ou produzidos por Raul de Caldevilla. Nesta primeira edição, foram exibidos “Um Chá nas Nuvens”, a épica escalada à Torre dos Clérigos, no Porto, filmada em 1917 e realizada por Raul Caldevilla, como parte de uma ação de publicidade às bolachas Petit Beurre Invicta, tornando-se o primeiro filme publicitário português. Foram ainda exibidos a reportagem “Entre-os-Rios” e a comédia dramática “Os Faroleiros”.

Esta quinta-feira, 25 de janeiro, serão exibidos “O 9 de Abril” e “A Rosa do Adro”, e na próxima segunda-feira será a vez de “As Pupilas do Senhor Reitor”.

A exposição foi promovida pela Academia Portuguesa de Cinema em parceria com a Cinemateca Portuguesa, o Museu da Publicidade e a Sociedade Nacional de Belas Artes e estará aberta ao público até ao próximo dia 17 de fevereiro.

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.