Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

MANUEL VALENCIA | Exposição "Flowers I & II Drawings"

e6b1af43-614b-4123-845b-5657bc0c835f.jpg

 

© Manuel Valencia, Flowers Series | Ignea inescrutabila indica (detail), 2017-2020

 

Inauguração:  quarta-feira, 29 abril 
MUHNAC | Museu Nacional de História Natural e da Ciência, 18h30
OCUPART | Espaço Camões da Livraria Sá da Costa, 21h00

Exposição:  30 abril a 31 maio 2020
MUHNAC | Terça a sexta, 10h - 17h \\ Sábado e domingo, 11h - 18h
Ocupart | Segunda a sexta, 14h - 19h

 

A Ocupart apresenta as Exposições Flowers I & II,  do artista espanhol  Manuel Valencia, no Museu Nacional de História Natural  e da Ciência | MUHNAC e na Ocupart | Espaço Camões da Livraria Sá da Costa.

Estas exposições tem a curadoria de Sofia Marçal, no MUHNAC  e de Menene Gras Balaguer, diretora de arte e cultura da CASA ASIA em Barcelona, na Ocupart. 

Com inauguração conjunta a 29 abril, estas exposições podem ser visitadas até 31 de maio.

Os trabalhos apresentados nestas mostras inserem-se no contexto de um extenso projeto de Manuel Valencia sobre flores imaginárias, exibido pela primeira vez em Xangai em 2018, agora ampliado e renovado. No projeto Flowers, Manuel Valencia guiado pela intuição e pela poesia, inspira-se na Botânica para criar desenhos de flores imaginárias e atribuir-lhes um nome, também inexistente, seguindo a nomenclatura binomial de Linnaeus. Com um estilo claramente único, o artista utiliza diferentes materiais sobre papel de arroz Xuan feito à mão na China. 

Em 2018 a editora Purple Roof (China), publicou um livro em inglês intitulado FLOWERS sobre o projeto de Manuel Valencia, juntamente com textos de Menene Gras Balaguer.
 

MANUEL VALENCIA 

Madrid, 1954.

Realizou os seus estudos em arte na Stichting de Vrije Academie voor Beeldende Kunst, em Haia e em vários ateliers de artistas holandeses, como é o caso de Dora Dolz. Para criar a sua vasta obra, escrita e plástica, Manuel Valencia procura incessantemente respostas na natureza, inquieta-o a dualidade entre o caos e a ordem do universo. Guiado pela intuição e pela poesia, explora com mestria a relação entre a unidade e a multiplicidade de representações que encontra na botânica, no mar ou nas paisagens que representa. 

Manuel Valencia expõe regularmente desde 1991 e tem uma carreira internacional, tendo vivido na China mais de 5 anos. Realizou diversas exposições individuais em Madrid, Valência, Barcelona, Lisboa, Belgrado, Pequim, Havana e Xangai, entre as quais se destacam “The Flowers Series. Drawings” (Xangai, 2018), The Skin of the Sea” (Pequim,  2015), “Letters and Slates” (Madrid, 2011),” Poemas Botânicos" (Madrid, 2009),” Visual Haikus" (Havana, 2007),” Gaijin" (Barcelona, 2004). Participou em inúmeras exposições coletivas em galerias privadas e em espaços institucionais, como o Instituto Cervantes ou a Casa Ásia de Madrid e Barcelona assim como em Feiras Internacionais, ARCO (Madrid), CIGE (Pequim), Wuhan Ink Biennale o Arte Lisboa.
A sua criação plástica tem sido acompanhada pela sua produção escrita, cujas publicações se destacam o livro "Accelerated Travel Journal - 10 years" (Ed. Isla Grande, Madrid, 2007) ou FLOWERS, Drawings by Manuel Valencia (Xangai, 2018).

O seu trabalho está presente em várias coleções particulares na Holanda, Itália, Bélgica, Estados Unidos, China, Coreia, Cuba, Portugal, Brasil e Espanha.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.