Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

MARIE-PIERRE CRAVEDI VENCE PRÉMIO EMERGENTES DST 2014

 

                                                                                                                             

*Fotógrafa francesa conquistou o júri do Prémio Emergentes dst, com o trabalho intitulado ‘Réunion’

 

*Menções honrosas desta edição atribuídas a Diego Saldiva e a Cecil Burban.

 

 

A francesa Marie-Pierre Cravedi é a grande vencedora do Prémio Internacional de Fotografia Emergentes dst 2014, distinguida pelo trabalho “Reúnion”, um ensaio fotográfico sobre a sua própria família. Tendo como foco o comportamento individual em contexto familiar, Marie-Pierre Cravedi levanta diferentes questões, desde a forma como o indivíduo mantém a sua identidade, até ao funcionamento das relações no seio de um grupo, passando ainda pelo desafio de num ambiente tão complexo como a família a câmara encontrar o seu espaço para o retratar, sem alterar a atitude dos protagonistas. A fotógrafa gaulesa mostra a sua família como ela é, ou pelo menos, como a vê, aparecendo também em algumas fotografias. Esta é uma das formas encontradas de transmitir ao público qual o seu papel no seio do grupo, assumindo que este trabalho é precisamente a sua interpretação sobre o meio familiar em que se move. Para David Balsells, presidente do júri, a obra de Marie-Pierre Cravedi é “bastante intimista e realista”, realçando tratar-se de “uma fotografia que demora a entender. É preciso tempo para se compreender a mensagem que é transmitida”. O olhar de Marie-Pierre Cravedi fixa um tipo de fotografia marcada no tempo, que retrata especificamente um momento que lhe é importante.

 

Um dos mais importantes prémios nacionais na área da fotografia, com um valor pecuniário de 7500 euros, o Prémio Emergentes dst concedeu ainda duas menções honrosas a Diego Saldiva e a Cecil Burban. O trabalho de Diego Saldiva retrata mudanças físicas decorrentes do nascimento do filho, captadas pelo fotógrafo num momento particularmente sensível. O primeiro foco da atenção do fotógrafo foi a cicatriz deixada na barriga da mulher após o parto. Depois, Diego Saldiva focou-se no filho, também ele alvo de algumas cicatrizes provocadas por uma doença rara que lhe foi diagnosticada. Para Diego Saldiva, o ato fotográfico foi essencial para registar as mudanças físicas que ocorreram nesse período, permitindo-lhe concentrar-se nos sentimentos e nos significados de cada evento. Neste trabalho é possível ver a perda de uma época e a descoberta de uma nova, a perda do elo físico com o filho e a paternidade e sua ausência. O seu trabalho pode ser admirado em www.diegosaldiva.com.

 

Já Cecil Burban, apresentou ‘Dernières séances’, uma série de retratos sobre cinemas abandados em África e sobre os seus guardiães, projetistas sem bobines e diretores sem plateia. Depois de um encontro com o cinematógrafo Souleymane Cissé e uma viagem aos cinemas do Mali, passou a ser desejo da autora entender a razão pela qual os encontros modernos entre filmes e cinéfilos ocorrem exclusivamente por telas temporárias. Segundo Cecil Burban, assim que se entra nestes espaços repletos de história e alma, a nostalgia envolve-nos, em edifícios que vivem no limbo. Em cecilburban.com é possível contemplar este, e outros trabalhos, em todo o seu esplendor.

 

Na edição deste ano, oitenta fotógrafos apresentaram, durante dois dias, os seus portfólios ao júri. Divididos por três salas e 21 críticos, os fotógrafos concorrentes explicaram os trabalhos presentes nesta fase final do concurso.

Como vem sendo hábito, os membros do júri tiveram uma tarefa difícil no que concerne à escolha do vencedor, uma vez que, como revelou David Balsells, “a qualidade dos trabalhos é de um nível bastante elevado. A revisão dos portfólios nunca é fácil. Mas convém salientar a importância da pré-seleção”, adiantou o presidente do júri.

 

O Prémio Emergentes dst

Iniciativa do grupo dst, este prémio, integrado nos “Encontros da Imagem, Festival Internacional de Fotografia”, visa destacar o melhor trabalho em Fotografia Contemporânea e constitui uma plataforma preferencial para cada artista obter uma análise do seu trabalho e eventualmente ser incluído em projetos expositivos ou editoriais.

 

Nesta edição que celebra o 5o aniversário, superaram-se todas as expetativas, tendo sido acolhidas cerca de 500 candidaturas provenientes de vários países, com destaque para o Brasil, Japão, Rússia, Reino Unido, Dinamarca, Finlândia, Grécia, França, Espanha, Bélgica, Itália e Polónia, abrindo terreno para a consolidação do Prémio Emergentes dst em Portugal e além-fronteiras. Esta atividade, que premeia o melhor portfólio com 7500 euros e uma exposição na edição seguinte dos Encontros da Imagem, constitui uma plataforma de excelência para os artistas, quer emergentes, quer com uma carreira já confirmada, divulgarem a sua obra. Durante dois dias mais de vinte diretores de museus, galeristas, editores, entre outros, analisam os projetos em sessões individuais, avaliando e aconselhando os participantes sobre a qualidade das obras e melhores estratégias de divulgação.

 

Encontros da Imagem

 

O XXIV Festival Encontros da Imagem 2014, que se realiza de 18 de setembro a 31 de outubro , distingue-se pela espiritualidade do seu tema: A Fé e A Esperança. Construída sob um conjunto de representações que envolvem o aspeto simbólico, cultural e religioso das identidades contemporâneas, Hope & Faith lança pistas sobre algumas das problemáticas mais pertinentes ligadas à Fé num tempo hiper-conturbado, permitindo antever a dimensão estrutural de um mundo novo em construção. Sob o teaser “Where is my mind?", que serve de metáfora musical ao Festival Internacional de Fotografia, há uma espécie de ritmo que serve de mote às múltiplas visões do Festival, por vezes tensas e impregnadas de esperança, que fazem desta edição uma viagem altamente espiritual. O Festival de Fotografia Encontros da Imagem constitui um dos mais prestigiados acontecimentos do nosso país no âmbito das artes visuais, e com granjeado reconhecimento internacional. Além do vasto número de exposições, têm lugar uma diversidade de ações dirigidas à comunidade de fotógrafos e público em geral. O Festival, com origem em Braga, apresenta um conjunto de atividades que promovem a fotografia contemporânea através de um núcleo expositivo, que nesta edição se reforça nas cidades de Lisboa, Porto e Guimarães.